Publicidade
Esportes
Craque

Depois da eliminação do Nacional na Série D de 2013, Dinamite mira acesso à Série C com o Princesa

Com uma nova oportunidade para tirar o Amazonas do porão do futebol brasileiro, o jogador planeja com muito trabalho a volta por cima 07/09/2014 às 13:16
Show 1
Dinamite já teve passagens por times da Macedônia e Alemanha
ANDERSON SILVA ---

Com experiência no futebol europeu, o meia-atacante Roberto Dinamite, 27, surge como uma das apostas do Princesa para o restante da Série D.

Jogador técnico e que joga para o grupo, Dinamite passou a integrar o Tubarão no início da semana e já ganhou a atenção do comandante Charles Guerreiro, logo no primeiro treino com bola: “Jogador que tem boa movimentação, passe e qualidade”.

Prestes a completar um ano da eliminação do Nacional para o Salgueiro na Série D – quando o clube teve chances de conquistar o acesso à Série C -, Dinamite ainda não esqueceu o momento e os erros do passado cometidos pela diretoria Azulina, que também arruinou as chances de avançar na Copa do Brasil.

Com uma nova oportunidade para tirar o Amazonas do porão do futebol brasileiro, o jogador planeja com muito trabalho a volta por cima, desta vez com o time de Manacapuru e o início pode ser hoje na partida contra o Atlético-AC, às 18h (de Manaus), no estádio Arena da Floresta, em Rio Branco.

“Venho acompanhando o Princesa e tenho muitos amigos como Rondinelli, Fininho, o Michel... outros joguei contra e ,então, a gente acaba se conhecendo. Aqui (Princesa) é o caminho ideal. Até porque já vem demonstrando uma organização ao chegar por dois anos na final do Estadual”, disse o jogador.

Consciente de que o representante amazonense ainda não apresentou um belo futebol na competição, que empolgue o torcedor, Dinamite avisou.

“Ainda não mostrou um belo futebol, mas o importante é a vitoria. E espero me adaptar o mais rápido possível à filosofia de trabalho do treinador para conseguir jogar”.

À espera de mudanças

Assim como o torcedor amazonense quer mudanças, Dinamite também. E dá dica. “A partir do momento que tivermos um planejamento melhor e os dirigentes absorverem certas adversidades o nosso futebol vai crescer bastante. No Nacional eu era o único jogador amazonense e a eliminação doeu muito em mim”, afirmou.

Publicidade
Publicidade