Publicidade
Esportes
Com vontade de lutar

Dileno Lopes fala sobre convite para lutar no Jacaré Submission, em Manaus

Convidado para lutar no Jacaré Submission Combat, Dileno Lopes fala sobre derrota no UFC e expectativa para próxima lutas 14/07/2016 às 20:00 - Atualizado em 14/07/2016 às 20:01
Show hobbit
O lutador, que perdeu após decisão dividida dos juízes, disse que o fato do duelo ser na casa do adversário, pesou na decisão (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Camila Leonel Manaus (AM)

Uma semana após ser derrotado pelo norte americano  Anthony Birchak, o amazonense Dileno Lopes esteve em Manaus durante o anúncio do evento Jacaré Submission Combat, que será realizado no dia 6 de agosto. Dileno surpreendeu dizendo que vai lutar no evento, que acontece na Arena Amadeu Teixeira. O adversário ainda não foi definido.

“Eu estou cheio de vontade, de energia. Eu não me machuquei nessa minha última luta e eu estou à disposição de qualquer adversário. Deixa eles escolherem, o que vier para mim tá tudo bem, eu quero é lutar. Quero é participar. Eu quero estar lá com pano, ou sem pano”, disse.

Sobre o UFC, Dileno disse que vai ter que aguardar um pouco para lutar de novo, mas a expectativa é fazer outra luta até o fim do ano.“Ainda vou ter que esperar um pouco após sofrer a derrota. Vou aguardar um pouco meus empresários entrarem em contato com o UFC para agendar alguma luta antes do final do ano. Eu quero lutar. Não me machuquei, estou bem,  estou apto a lutar. Então estou no aguardo. Sofri uma derrota equilibrada e creio que se fosse no Brasil eu ficaria com a vitória, mas como foi na cidade do meu adversário, então pesou um pouco. Ninguém iria dar a vitória para um cara que veio do Brasil, então deram para o cara que é de lá. Eu vou ter que trabalhar muito para evoluir”, contou.

No combate contra Birchak, Dileno começou com gás, mas foi visível o cansaço do lutador ao longo da luta. O amazonense declarou que o cansaço se deu por causa do clima desértico de Las Vegas. “Eu senti o clima muito diferente. É uma coisa que eu nunca tinha sentido antes. Eu treinei muito o meu físico, mas lá é um clima diferente e eu senti um pouco. É quente, seco por causa do deserto. A umidade é 12%, então a maioria dos brasileiros estavam cansados no 3° round”, disse.

Publicidade
Publicidade