Publicidade
Esportes
Allez, Rebeca!

Ciclista amazonense Rebeca Fonseca faz temporada de ouro na França em 2018

Entre as conquistas estão o Challenge d’Île de France (duas vezes) e o Grand Prix Aix dês Commerçants de Suippes 21/05/2018 às 05:00
Show 32087185 603832446649947 3253968541728112640 o
Atleta está fazendo temporada de treinos e competições na França, em busca do sonho de evoluir cada vez mais no ciclismo. (Fotos: Martial Denais/ divulgação)
Jéssica Santos Manaus - AM

A ciclista amazonense Rebeca Fonseca está fazendo a sua segunda temporada de treinos e competições na França e, após dois meses e muitas disputas em 2018, podemos dizer que ela está ‘marche fort’, ou seja, ‘andando muito’, 'voando na bike'. Isso porque a ciclista vem chegando ao seu objetivo: adquirir experiência e se destacar nos campeonatos europeus para ganhar espaço na seleção brasileira de ciclismo.

Pelo segundo ano consecutivo, Rebeca está representando a equipe feminina UVCA Troyes, que participa de competições “todo final de semana”, como ela conta.

Este ano, em somente dois meses, a ciclista esteve na linha de largada de dez provas, conquistando vários pódios. Foram duas vitórias no Challenge d’Île de France, além de uma segunda, uma sexta e uma sétima colocação, que lhe renderam a segunda colocação geral no campeonato, mesmo não tendo participado das duas primeiras etapas.

Rebeca também venceu o Grand Prix Aix dês Commerçants de Suippes, foi segunda colocada no Grand Prix Aix-en-Othe e foi 35ª na competição feminina mais importante do país, a Copa da França, prova com 190 atletas inscritas, incluindo ciclistas de vários outros países. Após duas etapas das seis previstas, a equipe UVCA Troyes está na quarta colocação geral da competição, e Rebeca está ‘extrêmement content’.

“Somos a quarta melhor equipe da França hoje”, afirma Rebeca com orgulho. A próxima etapa da Copa da França será no dia 17 de junho. “Depois vou para o Brasil para o Campeonato Brasileiro de Maringá”, conta Rebeca, que solicitou a passagem da Secretaria de Estado da Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) para vir ao Brasil porque considera esta competição, que acontece no fim de junho, muito importante.

“Espero que dê tudo certo porque se eu vencer essa competição ou ficar nas primeiras colocações, a chance de eu ser convocada para a Seleção brasileira aumenta bastante”, disse.

Equipe forte

A UVCA Troyes conta com cerca de oito ciclistas em cada prova e a equipe sempre está no pódio. Rebeca afirma que a equipe está bem forte, e que elas trabalham em conjunto nas provas.

“Apesar de o ciclismo ser um esporte individual, a gente trabalha muito em equipe nas provas, então, quando uma atleta da UVCA Troyes ganha, é como se a gente tivesse vencido também, e este ano, na maioria das corridas, temos feito primeiro e segundo, quando não, primeiro e terceiro, ou seja, sempre tem alguém de nós entre as três primeiras. Isso é muito bom”, comenta.

União na alegria e na tristeza

Nem só de momentos felizes as competições são feitas. Rebeca sofreu pequenos acidentes em duas provas deste ano, o segundo foi um susto maior, com pancada na cabeça (protegida por capacete), na segunda Etapa da Copa da França. Mas ela comenta que quedas fazem parte do esporte. Então, segue em frente.

“Eu caí dia 22 de abril, em Suippes, largamos com os meninos e, mesmo assim, ganhei no feminino, e fiquei em nono lugar entre os homens, e a minha segunda queda foi no domingo retrasado (13), era uma prova perigosa porque chovia e fazia frio. Adoro correr na chuva, mas infelizmente estas são coisas às quais estamos sujeitos, faz parte do ciclismo e, além de mim, muitas meninas abandonaram a prova por queda”, disse Rebeca, que chorou após sair da competição.

“Chorei horrores por não poder continuar, já que era uma competição muito importante, a Copa da França. Dormi treze horas depois, estava emocionalmente cansada porque era dia das mães (Rebeca possui um filho, Mateus, que está no Brasil), e todo o esforço pareceu que tinha sido perdido, mas depois meus amigos e o próprio técnico disse que o melhor é que eu não tinha quebrado nada, que eu tenho o nível pra estar ali, e ainda temos muitas outras provas pela frente. São palavras que ajudam nessa hora”, conta Rebeca. ‘Allez, Allez!’ Vamos, Rebeca!

Publicidade
Publicidade