Publicidade
Esportes
Em clima de Copa

A 24 dias da abertura, Rua 3 do Alvorada já está com cara de Copa do Mundo

Portal A Crítica conta como uma das ruas mais populares de Manaus prepara a tradicional decoração para o Mundial de futebol 20/05/2018 às 16:12
Show zcr0120 01f
Foto: Marcio Silva
Camila Leonel Manaus (AM)

Faltam 24 dias para o início da Copa do Mundo na Rússia, mas desde o dia 14 de abril a Rua 3 do Bairro Alvorada 1, Zona Centro-Oeste de Manaus, já está no clima do Mundial que começa no dia 14 de junho. Amarrando as tiras de plástico, pendurando, fazendo moldes... é assim que os moradores correm para terminar a decoração da via que é tricampeã no concurso de decoração de ruas feito pela Prefeitura, uma tradição que começou na Copa de 1994 e que resiste até hoje.

Mas manter o costume não é fácil. De quatro em quatro anos, os moradores se organizam fazendo bingos, feijoada e a famosa cota para inteirar o dinheiro necessário para decorar a rua. São entre 20 e 25 pessoas que coordenam as atividades, que vão desde a compra do material até a fabricação dos moldes que receberão as tiras para dar cor e vida aos desenhos.

“Sozinho a gente não faz nada, então a gente montou várias equipes que trabalham diferenciadamente umas das outras. Eu faço parte da coordenação das bandeiras. Tem a equipe que faz os moldes, o pessoal dos desenhos, o seu Emídio, que começou tudo isso e por aí vai”, explica Leandro Libório, morador da rua 3 há 43 anos.

Outro diretor de uma das equipes é Ricardo Carneiro, que cuida dos desenhos. Nascido em Parintins, e com trabalhos artísticos, ele conta que o objetivo é sempre superar a Copa anterior. “Eu era artista da escola Alvorada e me chamaram para cá. Copa passada fizemos algo bacana, ganhamos e, este ano, a missão é fazer tudo melhor ainda. É um desafio emocionante. O tempo é pouco, a chuva atrapalha, tem pouco dinheiro, mas o resultado final e os elogios são a melhor parte de tudo isso”, declara.


 

Além de deixar a rua mais bonita, a moradora do local há 48 anos, Alcinete Negreiros, fala que a época também incentiva a convivência. “Essa é a época que todo mundo fica mais unido. Fica todo mundo na rua e é esse movimento todo dia. Em outras épocas fica todo mundo dentro de casa. Aqui a gente não perdeu a tradição. As crianças das Copas passadas hoje são os adultos que trazem os filhos”, conta.

Dia dos Jogos

Com a rua à caráter, a festa se completa quando começam os jogos. Um telão é instalado na rua, onde todos acompanham as partidas. De acordo com Libório, além de futebol, também tem muita música e animação. A expectativa é que a Seleção de Tite corresponda.

“A gente sempre espera que a nossa Seleção possa nos honrar por todos os sacrifícios que a gente faz e espero que não tenha mais 7 a 1, né. Perder faz parte da vida, mas daquela forma foi humilhante. Mesmo assim acredito que em 2018 as coisas serão melhores”, explicou o organizador que estendeu o convite para quem quiser chegar na Rua 3 e acompanhar as partidas.

“Convido a todos que quiserem acompanhar com a gente as partidas”, completa Libório que diz que em época de Mundial, a rua enche de visitantes para fazer fotos e conhecerem as obras de arte.

R$ 150 mil

É o custo estimado para deixar a rua decorada. Além do plástico, dos moldes, haverá uma pintura na rua, além de um portal de entrada, mas o desenho não foi revelado.

1994

Foi o ano em que começou a brincadeira do seu Emídio de pendurar bandeiras na rua. De acordo com ele, que tem 68 anos, a rotina é puxada. “A gente acorda às 6h e vai até 1h trabalhando”, revela.

Publicidade
Publicidade