Domingo, 21 de Julho de 2019
Craque

Dossiê Olímpico: a ‘salvação’ do Movimento Olímpico pelos ‘Jogos Intercalados’ de Atenas 1906

Após os fracassos de Paris 1900 e de Saint Louis 1904, o prestígios da Olimpíada ficou abalado. Coube, novamente, aos gregos a missão de revitalizar os Jogos, mesmo que o COI jamais tenha oficializado o evento



1.jpg A Atenas 1906 jamais foi reconhecida pelo COI, que denominou o evento de "Jogos Intermediários".
02/03/2016 às 14:21

É de conhecimento de todos que a Grécia é o berço dos Jogos Olímpicos e que foi na terra dos deuses do Olimpo que a Olimpíada ressurgiu através da persistência de um francês chamado Pierre de Coubertin. No entanto, poucos sabem que os gregos também foram os responsáveis em manter vivo o Movimento Olímpico, principalmente, após os fracassos dos Jogos de Paris 1900 e Saint Louis 1904.

Mesmo assim, Os Jogos de Atenas de 1906 jamais foram reconhecidos pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e receberam várias denominações, como: “Jogos Intercalados”, “Jogos Extraordinários” e até “Jogos não-oficiais”. Porém, foi graças aos gregos que a Olimpíada voltou a ganhar força e respeito entre os atletas e fãs do esporte de todo o planeta. As divergências entre o Barão Coubertin e o rei George I, da Grécia, influenciaram para que o COI jamais computasse as medalhas ou recordes obtidos nos Jogos de Atenas 1906. Fato que até os dias atuais causa polêmica no âmbito esportivo.

Para o COI, a segunda versão da Olimpíada de Atenas se tornou apenas um evento comemorativo pelo décimo aniversário dos Jogos de 1896. Para os gregos, a Atenas 1906 foi tão empolgante quanto a Olimpíada de dez anos antes. O povo grego prestigiou as competições, lotando as dependências do estádio Panathinaiko e abraçou os Jogos verdadeiramente como seus.


A Atenas 1906 foi responsável por várias inovações que o COI adotou nas edições oficiais do Jogos Olímpicos, como a cerimônia de abertura, que ganhou um dia especialmente para essa eventualidade. Além das inscrições dos atletas, que pela primeira vez foi feita exclusivamente pelos Comitês Olímpicos de cada país. A cerimônia de premiação dos atletas começou a ser feita com as bandeiras dos países hasteadas e ao som do hino nacional do vencedor.

Com a participação de 903 atletas, foram erguidas junto ao pé do Monte Olimpo, as bandeiras da Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Boêmia, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, França, Grã-Bretanha, Grécia, Hungria, Império Otomano, Itália, Noruega, Países Baixos, Suécia e Suíça. Os Jogos de Atenas 1906 teve 14 modalidades no programa olímpico divididos em 78 competições.

Diferentemente dos Jogos de Paris 1900 e Saint Louis 1904, que duraram meses e foram secundários, o evento grego teve a duração de apenas dez dias. O que manteve o interesse do público e o prestígio das provas em alta. No final, a Atenas 1906 coroou a França como a grande vencedora. Foram computados 40 pódios, sendo 15 primeiros lugares, 9 segundos e 16 terceiros. Os Estados Unidos apareceram logo em seguida com 12 de ouro, seis de prata e seis de bronze. A Grécia terminou em terceiro no ranking. Os gregos fecharam a competição comemorativa com 33 conquistas, oito delas com vitória.


Mesmo sem tantos registros do evento, houve melhora acentuada no tempo das disputas. Destaque para o norte-americano Paul Henry Pilgrim, que subiu duas vezes no pódio olímpico ao vencer as provas dos 400 m e 800 m. Ray Ewry ficou conhecido como ‘O homem de borracha’ ou ‘O homem sapo’, assim como nos Jogos de Saint Louis, voltou a brilhar ganhando duas medalhas de ouro na segunda edição dos Jogos atenienses.

O ‘Homem Borracha’ e manifesto de O’Connor

A Atenas 1906 viu de perto a confirmação de um verdadeiro “milagre” do esporte. O norte-americano Raymond Clarence “Ray” Ewry, que já havia ganhado seis medalhas de ouro nos “apagados” Jogos de Paris 1900 e Saint Louis 1904, confirmou a condição de um dos melhores atletas do início do século 20. Chamado de “Homem Borracha” por sua elasticidade, Ray Ewry, ainda voltaria ao pódio nos Jogos de Londres dois anos depois e se tornaria um ícone no salto em altura, distância e triplo.

No entanto, o que mais surpreende na fantástica história do saltador dos Estados Unidos é que o Ewry passou parte da infância em uma cadeira de rodas em consequências de uma poliomielite e muitos achavam que ele ficaria paralítico.


Conhecida como a modalidade que sempre traz casos pitorescos para a história dos Jogos, a maratona de Atenas 1906 foi vencida pelo canadense Billy Sherring. Escolhido para representar se país na Olimpíada grega, Sherring teve de custear sua viagem e estadia na Grécia. O esforço valeu a pena quando o canadense adentrou o estádio Panathinayko e deu a volta da vitória ao lado do príncipe George, filho do rei George I.

Atenas 1906 também conheceu o primeiro manifesto político da história Olímpica. Como a Irlanda não possuía Comitê Olímpico, atletas da Irlanda acabaram sendo inscritos pela Grã-Bretanha. Revoltado com a decisão, o irlandês Peter O’Connor se dirigiu para receber a medalha de ouro no salto triplo com a bandeira da Irlanda nas mãos e a colocou no lugar mais alto do pódio.


Martin Sheridan foi um atleta nascido também na Irlanda, mas que representou os Estados Unidos. Nos Jogos atenienses, Sheridan ganhou uma prata no salto triplo e dois ouros no arremesso do disco e arremesso do peso, que nada mais era do que uma pedra.

Museu Olímpico Roberto Gesta

O Relatório dos Jogos Olímpicos Intermediários de 1906

O principal idealizador do ressurgimento dos Jogos Olímpicos, Pierre de Coubertin, sempre imaginou que o magno evento deveria ser um elo de aproximação dos povos, a ser levado a efeito em diferentes países, de quatro em quatro anos.

No memorável Congresso da Sorbonne, em 1894, em que foi aprovada a realização dos Jogos da Era Moderna, foram escolhidas as sedes de 1896 e 1900, em Atenas e Paris, respectivamente.

Entretanto, os gregos, ainda em 1896, decidiram que eles tinham direito a realizar os Jogos de forma permanente, como de dava na Antiguidade Clássica na cidade de Olímpia.

Assim, em Atenas, durante os I Jogos, o próprio rei Georgios instou o Comitê Olímpico Internacional a declarar Atenas como a sede de todas as edições futuras e chegou a sugerir, no banquete de encerramento, que Coubertin deveria dar sua aprovação a essa sugestão ou renunciar. Na mesma ocasião, atletas americanos chegaram a circular uma petição com o mesmo objetivo, seguida por uma carta ao “The New York Times”.

Jornais gregos publicaram editoriais inflamados, ao ponto de considerar Coubertin “ um ladrão, tentando usurpar a Grécia de uma de suas históricas gemas “.


Em contrapartida, Coubertin ignorou a pressão e confirmou Paris como o local dos II Jogos, sugerindo que os gregos poderiam realizar Jogos Nacionais ou Pan-Helênicos nos intervalos entre as Olimpíadas.

Os gregos queriam que essas edições, a começar talvez já em 1898, também fossem denominadas de Jogos Olímpicos, sem o apoio de Coubertin. No entanto, a guerra contra os turcos, em 1897, inviabilizou essa possibilidade.

Com o relativo fracasso dos Jogos de Paris de 1900 e de Saint Louis em 1904, ficou enfraquecida a posição de Coubertin em relação às pretensões de Atenas e, em um Congresso do COI em Bruxelas, ficou acertada a realizarão dos Jogos de Atenas em 1906, embora de uma forma não muito clara.

Ao longo do tempo, persistiram as discussões sobre se os Jogos de Atenas deviam ser considerados oficiais ou não. A respeito de que não pairam dúvidas é de que os Jogos em 1906 voltaram a demonstrar a importância do seu restabelecimento; tiveram a maior participação internacional e foram os melhor organizados até então.

Os Jogos marcam a instalação da primeira Vila Olímpica, no Zappeion, um pavilhão que recebeu esse nome em homenagem a Evangelis Zappas, patrocinador dos Jogos Olímpicos Zappas, levados a efeito em Atenas nos meados do século XIX.

Do ponto de vista filatélico, foram emitidos 14 belos selos e os 3 primeiros carimbos olímpicos: Stadion, Zappas e Akropolis.

As medalhas para eventos individuais foram semelhantes às de 1896, mas eram douradas para os primeiros, de prata para os segundos e de bronze para os terceiros colocados. Para os esportes coletivos, as medalhas eram diferentes.

Pela primeira vez os atletas desfilaram na Cerimônia de Abertura, com as delegações precedidas por um porta-bandeira.

O Relatório Oficial foi editado com capas em diversas cores, todas elas com um belo design relembrando a Antiguidade Clássica, como pode ser observado na imagem que ilustra este artigo.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.