Publicidade
Esportes
Craque

‘É hora de chutar o pau da barraca’: presidente da FAF aconselhou mudanças na Seleção

Dissica Valério Tomaz afirmou que teve conversa com Marco Polo Del Nero antes de o dirigente assumir o comando da CBF. Dissica é favor de mudanças radicais na Seleção para fortalecimento do time canarinho  01/07/2015 às 08:25
Show 1
Presidente Dissica criticou Dunga e a forma como a Seleção vem atuando.
Denir Simplício Manaus (AM)

O CRAQUE conversou com o presidente da Federação Amazonense de Futebol (FAF), Dissica Valério Tomaz, sobre o futuro da Seleção Brasileira e a programação do futebol amazonense para segundo semestre. Assim como abordamos as possibilidades da vinda do time canarinho a Manaus para a disputa das Eliminatórias Sul-Americanas para o Mundial da Rússia, em 2018, e de um torneio de seleções olímpicas na Arena da Amazônia para o mês de setembro.

Dissica esteve à frente da delegação do Brasil na disputa do Campeonato Mundial Sub-20, na Nova Zelândia, e relatou um pouco da experiência no grupo brasileiro. “Essa foi a terceira vez que estive à frente de uma delegação brasileira e é sempre uma honra. Eu me integro totalmente ao grupo. Eu vou aos treinamentos, participo das preleções. Não sou aquele cara que vai lá só passear, não”, comentou o presidente, que ainda se disse satisfeito com o futebol apresentado pelos garotos do Brasil na Copa do Mundo da categoria. “A Seleção jogou muito bem. Mostrou um futebol bonito, que joga pra cima. Eu não conhecia o treinador que chegou, mas fiquei impressionado como ele falava com os jogadores. Ele dizia que quando eles estivessem frente a frente com o adversário, que era pra ir pra cima mesmo. Não ter medo em driblar. Essa é a característica do futebol brasileiro e estamos perdendo essa identidade. Isso não pode”, argumentou.

A Seleção Brasileira Sub-20 acabou com o vice-campeonato no Mundial da Nova Zelândia, perdendo na final para a Sérvia, na prorrogação. Mesmo com o resultado, a equipe brasileira foi muito elogiada pelo trabalho feito pelo técnico Rogério Micale, que assumiu o comando técnico da Seleção em substituição ao técnico Gallo, 20 dias antes da estreia da equipe na Copa do Mundo Sub-20.

Torneio Olímpico em Manaus

O presidente da FAF confirmou que já havia conversado com antiga comissão técnica do Brasil para a Olimpíada e que um torneio com equipes Sub-20 estaria programado para ocorrer em Manaus ainda este ano. “Na verdade já estava praticamente acertado de se fazer um torneio com quatro equipes ainda esse ano em Manaus. Teríamos a Seleção Brasileira, a seleção de Portugal, a da Venezuela e uma outra seleção local”, revelou.

No entanto, com o anúncio de Dunga no comando da equipe olímpica, Dissica afirmou que a programação da Seleção Sub-20 deve ter mudanças drásticas. “Já havia conversado com o Gallo sobre isso, ele viu com bons olhos essa competição, que seria preparatória para nossa seleção. Mas aí houve a mudança e agora a seleção olímpica está com o Dunga”, revelou Dissica, enfatizando que com a equipe olímpica do Brasil entregue aos cuidados do técnico da equipe adulta, a realização da competição se torna uma incógnita. “Dificulta (realização do torneio olímpico) porque era uma coisa que estava conversada com a antiga comissão e com a chegada do Dunga as coisas mudam totalmente”, comentou Dissica.

Dunga na Seleção

O mandatário da Federação também compartilhou a preocupação com a manutenção de Dunga no comando técnico da Seleção e disse que o treinador precisa mudar sua filosofia de jogo para levar o Brasil a próxima Copa do Mundo. “Na verdade o Dunga tem de mudar a filosofia de jogo dele. A Seleção Sub-20, por exemplo, jogou um futebol que é bem melhor pra nós. Hoje pegamos esses jogadores que são ‘adestrados’ na Europa e quando vão pra Seleção deixam a criatividade em segundo lugar. Voltam com essa filosofia de futebol europeu que não representa o nosso futebol... acabam perdendo a identidade”, disparou Dissica.

Conversa com Del Nero

Antes mesmo de assumir a presidência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero foi procurado por Dissica, que tentou abrir os olhos do futuro mandatário da entidade sobre o futuro da Seleção Brasileira. Porém, Del Nero não parece ter seguido os conselhos do presidente da FAF.

“Conversei com o Marco Polo Del Nero antes de ele assumir a presidência da CBF. Na época, o treinador da seleção de base era o Gallo. Eu sugeri que fosse priorizada a renovação da Seleção. Disse pra ele que era hora de ‘chutar o pau da barraca’, que o povo iria estar do lado dele nessa mudança radical. Pegar essa seleção olímpica e fazer uma mudança radical... mesclar jogadores jovens com um ou outro mais experiente, como o Neymar. Mudar desde agora... fazer esse trabalho a partir de agora”, aconselhou.

Dissica comentou sobre o planejamento do time canarinho, que na opinião dele deveria ter utilizado jogadores jovens na disputa da Copa América. “Se fossemos pra Copa América com essa seleção (mesclada) talvez não ganhássemos, mas iniciaríamos um trabalho pras Eliminatórias. Pra não ter essa preocupação que todos estamos tendo agora de não irmos pra Copa do Mundo. Isso jamais aconteceu na história da nossa seleção e a verdade é que estamos preocupados com essa possibilidade”, revelou.

Futebol Baré

De acordo com Dissica, a Copa Amazonas será realizada no segundo semestre e terá a regulamentação feita em conjunto com a Associação dos Clubes Profissionais do Estado do Amazonas (ACPEA). “Sim, haverá (Copa Amazonas). Está no regulamento. A não ser que os clubes não queiram. Se um der pra trás a coisa complica, mas deve ocorrer sim, sem problemas. A ACPEA deverá ver o regulamento e nos repassar”, confirmou.

Ainda segundo o presidente da FAF, a criação da Associação facilitou em muito o trabalho da Federação. “A ACPEA é uma parceira nossa. Veio pra nos ajudar. Agora a Associação discute o regulamento da competição entre os dirigentes e depois sentamos pra regulamentar o campeonato... nos poupou tempo. Agora não ficamos mais horas discutindo”, comentou.

O presidente da ACPEA, Cláudio Nobre, afirmou que a Copa Amazonas ocorrerá mesmo que a verba do Governo do Estado destinada aos clubes não seja liberada. “Vai ter sim. Sou contra qualquer tipo de quebra de regulamento. Se está no regulamento vai acontecer. Eu, como dirigente do Fast Clube vou inscrever minha equipe no campeonato. Nem que eu tenha de disputar a competição com uma equipe de juniores com um ou outro jogador mais experiente”, confirmou.

Publicidade
Publicidade