Domingo, 19 de Maio de 2019
ABRIU O CORAÇÃO

Em bate-papo, Bianca Maia Mendonça fala sobre vida profissional e pessoal

Em Manaus para ministrar uma clínica de Ginástica Rítmica, a ex-atleta da seleção brasileira conversou com o acritica.com sobre como é estar do outro lado, namoro e participação nos Jogos Olímpicos do Rio 2016



23/01/2017 às 22:09

Bianca Maia Mendonça é sem dúvida uma das principais referências do esporte amazonense. Ex-atleta da seleção brasileira de ginástica rítmica e agora técnica da modalidade, ela colhe os frutos de toda a experiência acumulada ao longo de 17 anos como ginasta. Em Manaus para ministrar um curso de GR, que acontece de hoje até sexta-feira, no CT Bianca Maia, na Vila Olímpica, ela conversou com o Portal A Crítica sobre como é estar do outro lado, vida pessoal e também sobre a sua participação nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. No flutuante Abaré, de frente para o rio Negro, a medalhista de ouro dos Jogos Pan-Americanos de 2011 também falou da saudade que sente da culinária amazonense.

Fora da seleção brasileira, Bianca não foi convocada para defender o Brasil nas Olimpíadas do ano passado, mas após algumas participações como comentarista em torneios da modalidade, ela garantiu uma vaga no time de ouro da Rede Globo. E foi como comentarista que ela brilhou nos Jogos Olímpicos do Rio.

"Foi uma experiência única. Você, uma ex-atleta participar do maior evento esportivo do outro lado?  A gente sempre almeja estar dentro do tablado, participando como atleta, mas já que infelizmente eu não pude, eu tive essa oportunidade. Fui muito abençoada e eu aproveitei cada minuto. Pra mim foi incrível", comentou Bianca, que cursa o 7º período de Educação Física, mas pensa em cursar jornalismo também.

E ela não para. Morando em Salvador, a ex-ginasta abriu há seis meses uma escolinha de ginasta rítmica e agora encara o outro lado da moeda. "Estou sempre em constante aprendizagem, em busca de novos conhecimentos. Claro, agregando a tudo aquilo que eu já tive de experiência como atleta, é uma experiência nova. Estou caminhando a pequenos passos em busca do meu objetivo que é o treinamento de alto rendimento", comentou.

E se a vida profissional está encaminhada, a pessoal também vai muito bem, obrigada. Namorando há mais de um ano, Bianca afirma que encontrou a pessoa certa. "Ele teve a experiência de vida exatamente que eu tive. Ele jogava basquete, jogou em várias cidades. E Salvador foi a cidade que ele escolheu pra morar. E aconteceu isso comigo, morei em Floripa e  Aracaju, e quando eu parei de treinar fui para Salvador. Eu o conheci e nós começamos a namorar. Foi o casamento perfeito, a ex-ginasta aposentada com o fisioterapeuta", disse aos risos.

Saudades da culinária amazonense
Morar longe de Manaus não é tão fácil quanto parece. Fora a saudade que sente da família e dos amigos, Bianca revela que também sente muita falta da culinária local. "Sinto muita falta dos peixes daqui, não tem peixe igual. Peixe de água salgada pra mim não tem muito sabor, os peixes daqui são muito saborosos. Sinto muita falta do jaraqui, do tambaqui. Quando estou aqui só como comida regional: peixe, açaí, vinagrete, farinha, tacacá, tento aproveitar ao máximo", contou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.