Publicidade
Esportes
Craque

Em Manaus, Alexandre Barros diz que sonha em formar um campeão mundial brasileiro na Moto GP

Em entrevista ao CRAQUE, o ex-piloto falou sobre a nova geração de pilotos brasileiros que ele tem ajudado a formar e diz que tem um sonho: levar o Brasil mais além no mundo das duas rodadas 19/11/2015 às 23:07
Show 1
Alexandre Barros falou do sonho de formar um campeão mundial brasileiro
Felipe de Paula Manaus (AM)

Principal referência da moto-velocidade brasileira, o ex-piloto Alexandre Barros está em Manaus, onde marca ilustre presença no stand da Moto Honda do Brasil na Feira Internacional da Amazônia (Fiam), junto a outros campeões de velocidade sobre duas rodas: o jovem campeão brasileiro Hector Assunção, o experiente José Luiz Cachorrão, a promessa Eric Granado e o homem do Brasil no Rally Paris-Dakar sobre duas rodas, Jean Azevedo.

Em entrevista ao CRAQUE, o ex-piloto, que agora é chefe da equipe Estrella Galícia no Campeonato Brasileiro de Moto 1000 G, falou sobre a nova geração de pilotos brasileiro que ele tem ajudado a formar e diz que tem um sonho: levar o Brasil mais além no mundo das duas rodadas, apresentando futuramente ao mundo o primeiro campeão mundial da modalidade nascido no País.

“É um sonho”, diz ele, que tem apoio da Moto Honda no projeto de desenvolvimento de quatro jovens pilotos, que prevê patrocínio para os atletas até que eles atinjam o Moto GP, principal categoria da moto-velocidade. “Cada ano nossos pilotos melhoram”, diz ele, com orgulho de quem se considera “paizão” da garotada. “Eu não me sinto só na obrigação, como quero passar o que eu foi difícil pra mim, onde eu errei”, diz Barros.

Embora elogie a nova geração de pilotos brasileiros, o ex-piloto, que quando estreou aos 19 anos no Moto GP se tornou o mais novo atleta a atuar na “fórmula 1 da moto velocidade”, acredita que o Brasil ainda peca na formação dos talentos. “O grande problema do Brasil é que faltou categoria de base enquanto eu estava em atividade. Ainda falta muito de incentivo, e a gente sabe que é um esporte caro. Se tivessem feito (esse trabalho de base) enquanto eu estava lá (no Moto GP), já estavam entrando outros pilotos”, diz ele, que falou ainda sobre um caso curioso que chamou atenção do mundo esportivo: a briga entre os pilotos Valentino Rossi e Marc Márquez no Grande Prêmio da Malásia.

“Acho que o grande problema não é o ato em si (Valentino derrubou Márquez numa das curvas da prova). Tem que ter deixado chegar a onde chegou.O problema começou antes. Triste ver uma situações de dois pilotos de maior referência do mundo dar esse exemplo”, comentou.  Barros e os outros pilotos patrocinados pela Moto Honda Brasil estão no stand da montadora na Fiam, até o dia 21 de novembro.



Publicidade
Publicidade