Publicidade
Esportes
Duelo dos invictos

Em Pai-Filho histórico, Fast tenta manter liderança contra Nacional

Confronto das duas únicas equipes que ainda não perderam no Barezão também vale a ponta da tabela da competição; João Carlos Cavalo e Álvaro Miguéis travam duelo que vem desde o Acre 17/09/2016 às 08:05
Show fafaf
Cavalo e Miguéis se conhecem do futebol acriano e agora voltam a se enfrentar no clássico Pai-Filho, na Arena da Amazônia. (Foto: Acritica)
Denir Simplício Manaus (AM)

Únicos times invictos no Campeonato Amazonense 2016, Nacional e Fast Clube se enfrentam neste sábado (17), às 16h, na Arena da Amazônia, na edição histórica do clássico Pai-Filho do Barezão Centenário. Com 12 pontos e sem tomar um gol sequer na competição, o Rolo Compressor quer impor a primeira derrota ao Leão da Vila Municipal, que está na 2ª colocação com 10, e se distanciar na briga para chegar às semifinais do Estadual. 

Provando ser um verdadeiro “caçador de Leão”, o técnico João Carlos Cavalo ainda não perdeu para o Naça desde que assumiu a equipe. O comandante do Tricolor de Aço substituiu Ney Júnior logo após derrota no Pai-Filho do Barezão de 2015 e foi responsável por umas das três únicas derrotas do Nacional na campanha do título do Estadual do ano passado.

O zagueiro Thiago Brandão tem se destacado na defesa do Fast (Foto: Antônio Lima)

“Devo ter uma ou outra derrota, mas com certeza tenho bem mais vitórias como treinador em cima do Nacional”, afirmou João Carlos Cavalo quando questionado se havia perdido ou ganhado mais nos duelos com o Leão. “Já enfrentei o Nacional pelo Rio Branco, Rio Negro, no Grêmio de Coari, e tenho mais vitórias. Na minha estreia como treinador em 2003, empatei os dois jogos da final com o Nacional. Como eles jogavam com a vantagem do empate, foram campeões”, recorda o treinador, que foi o primeiro campeão do interior do Estado, justamente em cima do Leão em 2005, pelo Grêmio Coariense.

Tem ex-Citizen no Naça

De time novo, o Nacional pretende reassumir a ponta do Barezão perdida no empate diante do São Raimundo na última rodada e para isso conta com o talento de Jardson Almeida Monteiro, o Polaco. O meia, que veio do Atlético-AC com a nova leva de jogadores do Naça, é a esperança do Leão em reencontrar o bom futebol, como no Estadual do ano passado, quando venceu o Tricolor de Aço no duelo do primeiro turno.    

Aos 23 anos completados no mês passado, Polaco conhece bem o treinador João Carlos Cavalo, com o qual trabalhou no Acre. “Bom treinador. Esperamos um grande jogo. Nesses jogos o que decide são os detalhes e esperamos que os detalhes estejam a nosso favor”, disse o meia, apontando o estilo de jogo do seu atual comandante, Álvaro Miguéis. “Contra qualquer equipe que enfrentamos, fomos treinados pelo professor Álvaro pra jogar o nosso futebol ofensivo, avançado e rápido. Sempre com humildade!”, afirmou.

Ao lado do parceiro Rafael Barros, Polaco já passou até pelo Manchester City (Foto: Evandro Seixas)

Com passagens pela base do Santos e do Manchester City, da Inglaterra, Polaco revela que não conhece muito sobre o clássico Pai-Filho, que foi disputado pela primeira em 1932 e neste Barezão Centenário completa meio século de disputas na era profissional. No entanto, o meia já sentiu o calor da torcida nacionalina e também percebeu que a rivalidade entre Nacional e as demais equipes do Estado é enorme.

“Excelente torcida. Apesar de não termos vencido, mas eles viram o tanto que nos doamos. Por uma injusta, uma questão dentro de campo, não vencemos. Vejo que aqui são todos contra o Nacional”, comentou o jogador, que teve boa atuação em sua estreia no futebol amazonense com a camisa do Nacional.
 

Publicidade
Publicidade