Publicidade
Esportes
Craque

Especial do CRAQUE: Com limitações orçamentárias, mas sem limitação de vontade

Com um elenco modesto, Rio Negro tem como primeiro desafio se manter na elite do futebol Amazonas 16/02/2015 às 18:16
Show 1
Elenco do Rio Negro treina firme para o primeiro RioNal da Arena da Amazônia.
Especial ---

Ao contrário dos outros nove times que vão disputar o Estadual, a diretoria do Atlético Rio Negro Clube procurou não dar um passo maior que a perna devido à falta de recursos financeiros. A política do bom e barato fez o clube aderir - por obrigação - ao uso de jogadores da base e outros que não foram utilizados pelos clubes no Amazonense 2015.

Com a conta no vermelho, o Rio Negro conseguiu manter o treinador vice-campeão do ‘Barezão’ Série B do ano passado, Sérgio Duarte, mas boa parte do elenco vice-campeão retornou para o clube de origem, já que o Galo utilizou jogadores emprestados até mesmo do arquirrival Nacional, que cedeu mais de quatro jogadores.No retorno à elite do futebol amazonense pela terceira vez, o Rio Negro quer ‘manter a pegada’ e de maneira alguma passa pela cabeça dos dirigentes repetirem o feito dos últimos anos, na qual o torcedor Barriga Preta não aguenta mais ser rebaixado.

Para que isso não aconteça, o porto seguro do torcedor e de todos no clube é o técnico Sérgio Duarte. Com perfil de comandante sisudo, Duarte vai para a batalha com crédito de treinador experiente, em que já conseguiu de maneira surpreendente levar o América ao acesso dentro de campo à Série C do Brasileiro em 2009, que depois foi anulado pela justiça desportiva por ter usado um jogador irregular.Mas desta vez a missão do comandante rionegrino é mais complexa.

Com poucos jogadores experientes, o Galo vai ser o time com média de idade mais baixa do campeonato e com jogadores que estão se profissionalizando pela primeira vez.O primeiro teste de fogo para os jogadores e torcedores Rionegrinos vai ser o Rio-Nal, dentro da Arena da Amazônia. O clássico que esfriou devido à ausência na primeira divisão tem a promessa de ser reaceso, agora dentro do moderno estádio da Copa.

Dentro de campo poderá ser de igual para igual, mas fora dele o Nacional já dá uma goleada. A folha de R$ 300 mil reais por mês já é um fator desigual se comparada com a do Rio Negro, que gira em torno de R$ 30 mil. Pela primeira vez o clássico Rio-Nal poderá ser chamado de clássico dos milhões. Guardadas as devidas proporções será o time dos “milhões” com os dos “tostões”.E que vença o melhor. Este ano o campeonato é longo, cinco meses, e quem sabe com um ‘gás’ de gente nova o tão falado Rio Negro possa surpreender os rivais, apague o passado sombrio e volte a ter a tradição de ser uma das forças do futebol amazonense. 

O comandante

Com experiência e acesso no Brasileiro, Sérgio Duarte vai comandar o Rio Negro com uma responsabilidade imensa. Acostumado a ter bons resultados, o treinador vai ter um desafio de comandar a garotada na primeira divisão do Amazonense. Sérgio Duarte Técnico 


Publicidade
Publicidade