Publicidade
Esportes
Copa Verde

Estreante na Copa Verde, Manaus FC tenta 'quebrar tabu' contra o Remo

Em toda a história do campeonato, o Remo jamais foi eliminado por um time amazonense na Copa Verde, e o Manaus FC tenta alcançar esse feito na Arena da Amazônia nesta quarta-feira (31) 31/01/2018 às 17:45 - Atualizado em 31/01/2018 às 17:46
Show zcr043101 p01
(Foto: Antônio Lima)
Camila Leonel Manaus (AM)

Em junho de 2017, o Manaus pisou na Arena da Amazônia para decidir o seu primeiro título estadual e foi campeão em cima do Nacional. Seis meses depois, o Gavião do Norte volta à Arena para outra primeira vez: a participação na Copa Verde, às 20h desta quarta (31), e terá no seu caminho o Remo, o Leão Azul do Pará. 

Apesar de debutar na competição, o Manaus terá o desafio de eliminar o Remo, algo que  nenhum outro time do Amazonas conseguiu na  Copa Verde.  Em 2014, o Remo eliminou o Nacional na inauguração da Arena da Amazônia após o empate em 2 a 2.  Em 2015, o Naça voltou a cair diante do Remo. No ano de 2016 foi o Princesa que caiu diante dos vizinhos. Se estender o duelo Amazonas x Pará para outras competições,  o retrospecto é ainda pior: uma derrota do Nacional na Série D em 2015 e empate na Taça Leão Forte da Amazônia – após empate em 1 a 1 - Naça venceu nos pênaltis.

Se pelo histórico o visitante costuma se sentir mais em casa do que o anfitrião, o goleiro do Manaus, Jonathan pretende mudar essa história no primeiro jogo do duelo, que terá 180 minutos. “Pela história contra os times amazonenses, o Remo se saiu melhor, mas contra eles será o nosso primeiro confronto da história então estamos com expectativas boas e vamos entrar focados para trazer essa alegria para o futebol amazonense”, declarou o goleiro de 25 anos.

Quem também tenta mudar a história do jogo é o atacante Rossini, que é um dos reforços do Manaus para a temporada. Formado na base do Santos, o “menino da vila” vai ser um dos experientes no time jovem do Gavião do Norte.

“Cresci no Santos, era considerado o sucessor do Robinho, joguei com grandes jogadores e rodei por vários clubes, alguns com estrutura grande, outros com estrutura nem tão grande assim, mas isso me ajudou a ter experiência e como eu encaro tudo como desafio, espero ir bem nesse desafio vestindo a camisa do Manaus”, disse o jogador que já teve passagem pelo Paysandu, em 2007, e sabe a pressão que é enfrentar o Remo. “Tive uma boa passagem no Paysandu e tive a oportunidade e enfrentar o Remo e tive um retrospecto bom contra eles. Agora, no Manaus, estamos em casa e conto com a ajuda do nosso torcedor e esperamos sair com a vitória”, explicou. 

Rossini também jogará sua primeira Copa Verde, mas espera que a experiência em competições nacionais como a Copa do Brasil, que tem fórmula semelhante, possa ajudar. “Temos uma responsabilidade muito grande nessa estreia ainda mais por eu ter essa rodagem, mas junta com a rapaziada que é mais nova e eu acho que o futebol tem que ter isso, essa mescla de experiência de juventude e experiência e eu aprendo com eles, eles aprendem comigo e vamos aprendendo juntos a cada dia”, completou.

Na véspera da partida, o Manaus fez o reconhecimento do gramado onde será a partida de hoje e o técnico Wladimir Araújo declarou que o Manaus irá fazer proveito do fator casa para propor o jogo. “Nós temos essa oportunidade de disputar a Copa Verde e tem esse tabu. É  a primeira vez do Manaus e a gente respeita a equipe do Remo, que tem uma grande camisa, mas dentro de casa tem que tomar a iniciativa do jogo e quebrar esse tabu”, explicou o treinador que deve entrar  em campo com Jonathan, Tiago Granja, Deurick, Paulão, Zada, Panda, Juninho, Cleitinho, Hamilton, Rossini e Nena, mesmo time que venceu o Nacional na primeira rodada do Barezão.

O Remo treinou no fim da tarde no CT do Nacional, na Zona Leste de Manaus. O time fez um trabalho com campo reduzido e o técnico Ney da Matta garantiu após a atividade que deve manter a formação com Vinícius, Levy, Mimica, Bruno Maia, Esquerdinha, Geandro, Leandro Brasília, Fernandes, Adenilson, Isac e Felipe Marques, que venceu o clássico contra o Paysandu no domingo. “A ideia é não mexer na estrutura do time”, explicou o treinador.

Os ingressos para a partida são vendidos durante toda a quarta-feira (31) na Arena Amadeu Teixeira, ao lado da Arena da Amazônia. As vendas começaram às 8h e terminam às 20h. O ingresso custa R$ 30 (R$20 a meia).

Virando a chave

Além da Copa Verde, as duas equipes jogam os respectivos estaduais, mas para hoje a promessa é focar na competição regional.O Manaus vem de um empate em 3 a 3 contra o CDC Manicoré. “É outra competição. Fizemos um grande jogo contra o Nacional e um jogo de razoável para bom contra o Manicoré e esperamos que não aconteça isso contra o Remo. A motivação é outra e estamos preparados para fazer um bom jogo e decidir a vaga lá (em Belém) contra o Remo”, disse o técnico do Manaus, Wladimir Araújo.

Mas não é só quem empatou na última rodada que quer virar a chave. O técnico do Remo, Ney da Matta, garante que mesmo após a vitória de virada no Re-Pa, o time já virou a página e o único pensamento é o Gavião e que após um jogo como o clássico, a cobrança de uma boa atuação até aumenta.

“Na verdade a gente precisa saber separar essa situação. Falei para os jogadores para ter uma atenção grande. A cobrança é maior depois dos jogos que fizemos tanto contra o Águia quanto contra o Paysandu e temos que ter a mesma qualidade e intensidade em buscar a vitória. A cobrança vai ser maior”. Para manter a qualidade e a sequência de vitórias, o técnico vem estudando o Manaus e destaca o pontos fortes do adversário. “Vimos os dois jogos deles e o time tem um desenho tático interessante, uma boa bola parada, então temos que continuar tendo obediência tática para buscar um resultado positivo para não jogar fora a chance do jogo da volta”, explicou.

Entre os jogadores do Remo, um em especial já jogou na Arena do lado amazonense. Trata-se do defensor Jefferson Recife, que passou pelo Nacional no ano de 2014. “Passei pelo Nacional e aqui tive uma bela conquista (o Barezão de 2014) e hoje estou novamente aqui reencontrando os amigos e jogando na Arena novamente. Naquela oportunidade joguei contra o Remo. Em Belém a gente empatou em 1 a 1 e na volta empatamos em 2 a 2 e fiz um gol contra eles na Arena”, disse o jogador que mesmo sabendo que terá uma pedreira contra o time do Manaus espera um resultado positivo para o jogo da volta em Belém.
 

Publicidade
Publicidade