Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019
Craque

Etiene Medeiros bate recorde-sul americano com índice nos 100m livre e surpreende

Com 54s26, ela superou o recorde sul-americano de Larissa Oliveira, do Pinheiros, 54s61, conquistado este ano nos Jogos Pan-Americanos de Toronto



1.jpg Até a nadadora Etiene Medeiros se surpreendeu com a façanha nos 100 metros
18/12/2015 às 11:17

Na manhã de sexta (18), contrariando as expectativas gerais e da própria atleta, Etiene Medeiros, do Sesi/SP, colocou seu nome na lista dos Jogos Olímpicos em uma prova diferente das tradicionais 50m livre e 100m costas em que sempre tem resultados expressivos. Com 54s26, ela superou o recorde sul-americano de Larissa Oliveira, do Pinheiros, 54s61, conquistado este ano nos Jogos Pan-Americanos de Toronto.

“Eu realmente estava querendo nadar bem esta prova até pelo revezamento, mas não estava pensando no índice. Mais uma vez o esporte prova que nem tudo sai como a gente está calculando. Eu estava precisando disso. Esqueci todo mundo que estava do meu lado e realmente fiz a minha prova. Foi sensacional. Gostei muito. Essa e os 100m borboleta são duas provas em que estou perto de conquistar um índice, mas a gente tem que saber dosar energias. Estar com o pé dentro da Olimpíada é outra coisa. A ficha vai cair ainda, mas 54s26 é um mega resultado. Nada como um dia depois do outro”, comemorou Etiene.



Etiene foi a única que marcou abaixo de 55 segundos. O pódio do Brasileiro Sênior foi completado com Manuella Lyrio (55s32) e Larissa (55s37).

Entre os homens, os quatro primeiros colocados fizeram índices individuais. A prova de 4x100m livre está gerando expectativas e tensões, pois o Brasil tem grandes chances de subir ao pódio. A primeira briga por índice teve Nicolas Oliveira (48s41), do Minas Tênis; Matheus Santana (48s71), da Unisanta; Marcelo Chierighini (48s85), do Pinheiros; e Allan Vitória (48s96), outro do Minas Tênis. No entanto, a disputa continua à tarde e muita coisa pode mudar. A surpresa da prova foi a ausência de Cesar Cielo, do Minas Tênis, no Open. Ele marcou 49s55 e ficou com o 11º tempo.

Nos 200m medley, Henrique Rodrigues, do Pinheiros, marcou 1m58s26, abaixo dos 2m00s28 do índice. Thiago Pereira, do Minas Tênis, ficou perto da marca de Henrique e fez 1m58s32, conquistando seu primeiro índice olímpico. O pódio da competição teve ainda Gabriel Ogawa, do Pinheiros, com 2m02s24.

“A ideia era essa, conseguir o índice logo de cara. Me senti bem, nadei bem. A tarde tem mais!”, disse Henrique.

Thiago Pereira foi homenageado na tarde de ontem, 17/12, pelo prêmio "Atleta da Galera" dado pelo Comitê Olímpico do Brasil. Ele sagrou-se o atleta mais vencedor da história dos Jogos Pan-Americanos, com 23 medalhas.

“A gente está acostumado a depender muito da gente no momento das provas, e era uma votação onde não dependia só do Thiago, dependia de outras pessoas estarem me apoiando e votando pra conquistar essa homenagem; e valeu, foram três semanas, quase um mês, correndo atrás, pedindo, mandando no face pra galera, a Gabi minha esposa me ajudou demais, como toda a minha assessoria tava ali em cima, então valeu, as artes, tenho que agradecer a todos mesmo de coração, valeu e tamos juntos em 2016”, declarou.

Na versão feminina dos 200m medley, Joanna Maranhão, do Pinheiros, ficou a 16 centésimos do índice 2m14s26. Nos 400m quatro estilos Joanna conseguiu nadar a baixo da marca olímpica pela manhã e à tarde, na véspera.

“Estou numa pegada de nadar forte de manhã e de tarde. Vou falara com meu técnico ver o que podemos acertar. Nessa prova eu preciso acelerar sem perder a eficiência. Uma coisa que eu percebi que errei foi a virada do peito para o crawl”, disse a nadadora.


*Com informações da assessoria da CBDA


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.