Vila Olímpica

Ex- presidente da Federação Amazonense de Futebol Americano receberá homenagem neste domingo (16)

Jogadores e dirigentes dos times da bola oval prestarão homenagem a Gutemberg Maia, que morreu há um ano, em decorrência da Covid-19

Camila Leonel
16/01/2022 às 14:53.
Atualizado em 08/03/2022 às 16:09

(Chicão (camisa 66) foi um dos pioneiros do futebol americano em Manaus (Foto: Divulgação))

Nos esportes coletivos, vários fatores motivam um time a entrar em campo e correr, e jogadores a dar o máximo de si. Um título, a busca de uma realização, a amizade entre os atletas e até algum companheiro de equipe que não pôde estar em campo. Mas neste domingo, às 15h, no campo da Vila Olímpica, no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste, jogadores de futebol americano entrarão em campo para homenagear um companheiro do esporte: Gutemberg Maia, mais conhecido como “Chicão”, um dos pioneiros da modalidade do Amazonas e ex-presidente da Federação Amazonense de Futebol Americano.

Chicão faleceu no dia 9 de janeiro em decorrência de complicações da Covid-19. Pouco mais de um ano depois, amigos resolveram fazer uma homenagem em forma de amistoso para honrar a memória do companheiro de equipe. A partida será entre o Lobos FA, time fundado por Chicão, contra os outros atletas.

“Com a chegada de um ano da morte dele, tínhamos proposto um amistoso entre o Lobos, mas como é off, férias para os atletas, decidimos chamar todos os times pra compor uma equipe, e que o jogo acontecesse dia 09, aniversário da morte dele e a nossa ideia é homenagear e, futuramente, criar um evento que lembre o nome dele”, explicou Carlos Vale Júnior, presidente do Manaus Cavaliers e um dos idealizadores do evento.

O chute inicial (kickoff) será dado pela filha de Gutemberg, Maria Isabel, de 9 anos. Com o uniforme dos Lobos, ela realizará um sonho de entrar em campo, mas lamenta que o pai não esteja ao lado nesse dia importante.

“Eu fico muito feliz por dar esse chute em homenagem ao meu pai, mas realmente eu queria que ele estivesse aqui porque ele era meu herói e o amor da minha vida. Queria que ele estivesse em campo porque era meu maior sonho: estar no campo e beijar e abraçar meu pai”, declarou.

Legado

Um dos pioneiros do futebol americano em Manaus, Gutemberg fez parte do grupo que, em 2004, começou a jogar a modalidade na capital amazonense, integrando os “Predadores”, o primeiro time da bola oval. Anos depois, em abri de 2013, ele fundou o Lobos FA, que disputou o Campeonato Amazonense. O projeto do Lobos visava atingir jovens e adolescentes, levando esporte e cidadania nas escolas.

Em 2017 assumiu como vice-presidente da Federação e, em 2019, com o afastamento do presidente, assumiu a presidência, cargo que ocupava quando faleceu no ano passado.

Fátima Maia, que administrava o time junto com o marido, ainda se emociona ao falar da falta que sente de Gutemberg, mas diz que pretende manter vivo o legado de Chicão, levando à frente os projetos que os dois iniciaram juntos.

“Ele deixou um legado imenso não só no futebol americano, que ele era técnico, mas no jiu-jitsu, que ele era sensei. Não tem sido fácil e não vai ser fácil continuar sem ele aqui, mas eu vou continuar o legado porque preciso dar continuidade ao projeto Lobos. A gente tem um projeto em escolas e agora temos três escolas neste projeto então pra mim é muito importante, até porque eu aprendi a amar o esporte desde quando eu me envolvi em 2015 e através do meu esposo e eu preciso dar continuidade ao trabalho dele”, disse Fátima que também falou da emoção de receber essa homenagem de jogadores e dirigentes do futebol americano.

“Para mim é honroso estar ali fazendo parte dessa homenagem a ele, claro que seria melhor se ele estivesse presente, mas Deus sabe de todas as coisas. Não foi só ele que perdeu a vida para o Covid. Infelizmente muitas mulheres estão como eu: viúvas, sem seus maridos. Muitas famílias foram destruídas por essa doença, mas eu fico muito feliz em saber que depois de um ano ele vai ser homenageado e eu fico muito grata, até porque desde quando meu esposo faleceu eu pude ver que o esporte, ele não é só um esporte dentro de campo, mas também fora.  Quando eu perdi meu esposo, todo movimento do futebol americano ficou do meu lado e foram mais que amigos, foram pai, foram irmãos, foram alicerce pra mim então eu fico muito feliz”, completou.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por