Publicidade
Esportes
Craque

Ex-presidente do Santos detona Leandro Damião: ‘pagaram R$ 42 milhões em um pangaré’

Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro voltou a se envolver com a política do clube e não poupou críticas ao centroavante santista. O ex-mandatário do clube estava de licença médica quando o jogador foi contratado junto ao Internacional-RS 08/10/2014 às 14:54
Show 1
Leandro Damião foi contratado por R$ 42 milhões e até o momento não teve grande atuação pelo Peixe.
ACRITICA.COM Manaus (AM)

Em entrevista realizada nesta quarta-feira (8), em São Paulo, o ex-presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, detonou o atacante Leandro Damião. Na opinião de Laor (como é conhecido o cartola), a contratação do atleta por R$ 42 milhões foi um grande equívoco e taxou o centroavante de “pangaré". O ex-mandatário do clube da Baixada Santista apoiará a candidatura do ex-diretor de futebol de sua gestão no time paulista.

Leandro Damião, que já atuou 23 vezes com a camisa da Seleção Brasileira, marcando nove gols, foi contratado junto ao Internacional-RS no final de 2013. Até o momento, o camisa 9 não teve uma grande atuação com a camisa do Peixe (apelido do Santos). Laor citou o fato de o atacante ter passado boa parte da temporada passada lesionado ou na reserva.

"Um centroavante que não faz gol, pula a dez centímetros do solo, não ganha essa coisa toda. Começou bem no Inter, no ano seguinte ficou mais tempo na enfermaria do que em campo e ano passado era banco. Você comprar um jogador desses por R$ 42 milhões não faz sentido. A ideia do fundo maltês era colocá-lo em uma vitrine como o Santos, um dos poucos com prestígio internacional. Mas é você apostar em um pangaré, não vai ganhar um prêmio nunca. Se ganhar, ganha uma fortuna. Que é esquisito, é", definiu Laor.


Quando o centroavante foi contratado, Luis Álvaro estava afastado do cargo tratando de um câncer. O responsável pela vinda de Damião foi o atual presidente Odílio Rodrigues. Laor aproveitou para criticar a mandatário do Santos dos dias de hoje.

"Essa política deslocada de trazer jogador meia boca ganhando salário atrasado foi o que aconteceu nos primeiros anos de mandato do ex-presidente que eu sucedi (Marcelo Teixeira). Marcelinho, Luizão, Rincón, Carlos Germano, a salários estratosféricos. O Santos estava quebrado. Foi obrigado a vender a sua matéria-prima mais valiosa", comentou Luis Álvaro.

Laor voltou a público depois de um tempo sem aparecer para apoiar o candidato Fernando Silva, que vai concorrer à presidência do Santos no fim do ano. O ex-diretor de futebol na gestão de Luis Álvaro avisou que quer o time alvinegro com um DNA ofensivo se for eleito.

Publicidade
Publicidade