Domingo, 23 de Janeiro de 2022
Futebol Feminino

Fabíola exalta vitória do JC diante do Iranduba: 'É na raça que se joga'

Centroavante das Tigresas do Norte vive grande fase na carreira, com 11 gols marcados em 10 partidas disputadas neste ano



WhatsApp_Image_2021-12-05_at_19.25.59_57C5220A-18C0-4FDA-9022-4747C06B9176.jpeg Foto: Antônio Assis/FAF
06/12/2021 às 20:03

Vivendo um ano mágico atuando pelo JC, Fabíola foi decisiva mais uma vez no último domingo (5). Diante do Iranduba, no estádio Carlos Zamith, a camisa 9 das Tigresas do Norte marcou o único gol do jogo, válido pela 5ª rodada do Barezão Feminino.

O gol de Fabíola aconteceu aos 12 minutos do primeiro tempo, quando Brenda cobrou escanteio pelo lado direito. A artilheira do JC só teve o trabalho de escorar a bola, de cabeça, para o fundo das redes, garantindo o 1 a 0 no placar. Foi o quarto gol de ‘Fabigol’ em três partidas do estadual. Além disso, a jogadora marcou sete vezes no Brasileirão Série A2, totalizando 11 gols em 10 partidas disputadas por ela na atual temporada.

Em entrevista ao A Crítica após o jogo, a centroavante de 30 anos falou sobre o sentimento com o qual saiu da partida. Isto porque a atleta chegou a marcar outros dois gols, aos 41 e 42 minutos do segundo tempo, mas ambos foram anulados por impedimento.

“É uma sensação meio estranha. Eu vou olhar depois a jogada, porque a gente não pode crucificar, mas no segundo gol anulado eu tenho quase certeza de que não estava. No primeiro eu não sei, mas graças a Deus, o importante são os três pontos. Vir lá do interior é cansativo, então chegar aqui e levar os três pontos para lá é muito gratificante. A equipe se empenhou e fomos até o final, é na raça que se joga”, declarou.

Insatisfação
Durante a entrevista, Fabíola aproveitou para fazer uma crítica a respeito do gramado do estádio Carlos Zamith, que apresentou falhas - que ficaram ainda mais nítidas com as chuvas que ocorreram antes do jogo - e prejudicou o espetáculo.

“Eu tenho certeza que se um time aqui da capital fosse jogar lá no interior com esse campo, no estado que esse gramado está, não iriam querer jogar. O nosso estádio é do interior, mas dá de 10 a 0 nesse aqui. É muito vergonhoso, não é porque é futebol feminino que a gente tem que jogar num estádio desse. É um Amazonense e, no futebol feminino, se deve respeito”, finalizou.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.