Publicidade
Esportes
Ressaca da vitória

Família amazonense ainda curte 'ressaca' da vitória sobre o México

Ainda sob o efeito dos 2 a 0 sobre o México, torcedores amazonenses trataram de curtir a praia 21/06/2013 às 08:09
Show 1
A família Guimarães, que esteve no jogo da Seleção, na quarta-feira
Paulo Ricardo Oliveira ---

Houve amazonense vivendo a experiência de uma disputa oficial da Seleção Brasileira. A família Guimarães veio a Fortaleza especialmente para assistir ao jogo entre Brasil x México e saiu realizada com o resultado da partida, 2 a 0 para Neymar e cia. O pai, Rosemberg, de 51 anos,despachante aduaneiro, vascaíno, gostou da atuação da equipe de Felipão dentro de campo, mas foi na arquibancada que ele viveu uma emoção indescritível. "Na hora do Hino Nacional lhe confesso que eu não consegui cantar. Foi muita emoção, cara. Foi a melhor sensação depois do nascimento dos meus filhos”, descreveu ele.

Melka, 25 anos, que atua como clínica geral na rede pública em Manaus, destacou a organização dentro na Arena Castelão desde a entrada até a saída do Estádio. "O atendimento foi excelente, banheiros limpos, novos, o Castelão é realmente um estádio de alto nível, nos padrões internacional", elogiou a médica, que também apoiou a manifestação ocorrida antes do jogo. "Se eu estivesse em Manaus hoje (quinta-feira) iria para a rua também protestar por melhorias na minha área, por exemplo. A questão salarial do médico em Manaus é até satisfatória, mas as condições de trabalho não são boas para uma cidade que também será sede da Copa", defendeu Melka.

O irmão, Yuri, 22, estudante da faculdade de direito, afirmou que a vitória do Brasil foi incontestável e o deixou feliz, mas ele não esqueceu de apoiar a manifestção na capital amazonense. "Estou acompanhando os amigos (manifestantes) pelo facebook. A classe política na minha cidade está deixando a desejar. Eu não me sinto representado. Somos nós que temos que mudar isso tudo"

O governo do Distrito Federal gastou praticamente o dobro do valor que o evento trouxe para a cidade. De acordo com a Secretaria de Turismo do DF, a abertura movimentou na economia da capital federal cerca de R$ 22 milhões, com hoteis, ingressos, transporte e etc. Mas, nas contas do próprio governo, os gastos foram de quase R$ 42 milhões aos cofres públicos.



Publicidade
Publicidade