Terça-feira, 01 de Dezembro de 2020
FUTEBO

Fast é beneficiado em medida de apoio financeiro para a série D do Brasileirão

Equipe vai receber auxílio financeiro direto no valor equivalente a duas vezes a folha salarial média dos atletas da quarta divisão



photo_2020-04-06_20-27-55_9D1704CA-B20B-4318-994A-6E8C2F8A2A6D.jpg Foto: Divulgação
06/04/2020 às 20:37

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) comunicou na tarde desta segunda-feira (6) as novas medidas de apoio financeiro a clubes e federações. A entidade vai destinar R$ 19 milhões para ajudar clubes que disputam as séries C e D do Campeonato Brasileiro.

As equipes irão receber um auxílio financeiro direto no valor equivalente a duas vezes a folha salarial média dos atletas de cada uma dessas divisões. 



A mesma medida será aplicada ao futebol feminino e destinada aos clubes que disputam as Séries A1 e A2 do Brasileiro Feminino, o futebol do estado conta com Iranduba e 3B, nas respectivas séries. No masculino, o Amazonas tem dois representantes na série D, Fast e Nacional, além do Manaus FC na série C.

O vice presidente do Fast Clube, Hugo Ribeiro, se “anima’’ com a ajuda da CBF e avalia a iniciativa de extrema relevância para o clube, nesse momento. 

“Essa ajuda vem no momento muito importante. Hoje estamos vivendos uma situação instável e imprevisível. Os times de futebol estão em uma situação financeira muito difícil, principalmente, os clubes da série D, que tem muita dificuldade em arrecadar patrocínio, então, essa ajuda da CBF é de extrema relevância”, comentou o dirigente fastiano completando:

“A gente sabe que não vai custear toda a série D, as despesas da competição são altas, tem que ter uma folha para brigar pelo o acesso, em uma média de R$ 100 a 150 mil, sabemos que tem que ter mais recursos além desse, mas também não podemos menosprezar, muito pelo o contrário, temos que agradecer que a CBF soube reconhecer o momento delicado dos clubes e vai ajudar na medida do possível”, disse.  

Para os 68 clubes da Série D, o auxílio individual será de R$ 120 mil, num total de R$ 8,16 milhões.

Para a competição, o vice-presidente do Tricolor de Aço revela que 80% do plantel que disputou o Barezão, além da comissão técnica, irão permanecer. 

“O Fast vem planejando a série D, desde o inicio da temporada. Nosso objetivo é manter o elenco que disputou o Campeonato Amazonense 70%, 80% do grupo e contratar alguns reforços pontuais, em média cinco, seis jogadores que possam agregar o grupo. Nossa ideia também é manter a comissão técnica, esse é nosso objetivo para a série D”, afirma Hugo.

De olho na série D

A todo vapor, a diretoria do Rolo Compressor segue na missão do planejamento para a competição e aguarda o ‘ok’ da CBF para começar a saga de trazer os atletas de volta para Manaus.

“O que falta definir mais é a questão de patrocínio, claro que para investir é necessário ter recursos, para ter um time forte e competitivo, e também definir quando de fato vai iniciar a competição. Inicialmente, estar prevista para começar no final de maio, porém sabemos com essa pandemia que tem afetado todo mundo, o inicio da série D, seja postergado, talvez para o mês de junho ou até julho, ainda tem dúvidas a respeito desta situação e esse início que retarda um pouco do nosso planejamento, pois sabemos que tem que iniciar os treinamentos, no mínimo com três semanas de antecedência a o inicio da competição e para isso precisamos que a CBF defina quando de fato iniciar a série D”, finaliza Hugo.

Repórter

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.