Publicidade
Esportes
A ‘ressurreição’ do Super Mário

Fera do MMA amazonense treina forte para o RFA, nos Estados Unidos

O ex-campeão dos galos, Mário Israel, voltará aos octógonos no próximo dia 3 de junho na 38ª edição do Resurrection Fighting Alliance, na Califórnia. 29/04/2016 às 17:00
Show 20160429135657
O "Super Mário" está no card do RFA 38, na Califórnia (Foto: Divulgação).
ACritica.com* Manaus (AM)

Após 16 meses sem uma luta oficial, o amazonense Mário Israel já tem data para voltar aos cages. O ex-campeão dos galos (até 61 Kg) do Jungle Fight treina pesado para no dia 3 de junho enfrentar o americano Juan Archuleta, pela 38ª edição do Resurrection Fighting Alliance (RFA), na Califórnia, nos Estados Unidos. A luta terá transmissão dos canais Esporte Interativo.

Durante o último ano mesmo sem ter uma luta marcada, o amazonense revela que não perdeu foco no treinamento e diz estar em uma ótima fase. “Desde que cheguei na Califórnia já pude participar de aproximadamente dez ‘camps’ de outros atletas, todos muitos duros. Hoje, me vejo mais evoluído, fisicamente e tecnicamente”, comentou Israel.

Sobre o perigo que a falta de ritmo poderia ocasionar, Mário Israel acredita que o treinamento realizado ajudará bastante, mas diz que o “timing” sempre é prejudicado. “Acho que o meu tempo de luta vai estar um pouco desajustado, porque isso, o treino sozinho não ajusta. Mas estou pronto e com o cardio preparado para vários rounds”, completou.

Nova fase

Por intermédio do renomado empresário Jorge Guimarães, o Joinha, “Super-Mário” desembarcou na Black House há seis meses. A academia, que já acolheu grandes nomes do MMA como Lyoto Machida, Glover Teixeira e os irmãos Nogueira, hoje é a casa do amazonense que mesmo com um grande potencial, trilha a carreira distante do grande eixo do MMA.

Empolgado com os treinamentos na nova casa, o lutador não via a hora de se pôr à prova, mas garante que o tempo “parado” foi fundamental para o amadurecimento da sua carreira. “Sempre quis lutar, mas todo esse tempo treinando na Black House foi crucial para o aprimoramento do meu jogo de solo e da trocação”, afirmou.

Em relação ao futuro, Mário Israel afirma que mantém contato com outros eventos, mas não pode adiantar nenhuma informação por enquanto. Apenas usa dessa oportunidade para alavancar a sua carreira. “Estou me sentindo um lutador completo. Já estou a mais de um ano sem lesão e com a confiança lá no alto. Sinto que em poucas lutas posso despontar de vez”, concluiu.

Publicidade
Publicidade