Domingo, 26 de Maio de 2019
Craque

Fim do StrikeForce monopoliza o MMA mundial

Como todo esporte, o UFC também tem problemas. Rousimar ToquinhoPunido com nove meses de suspensão por uso abusivo de testosterona, flagrado após sofrer nocaute no UFC on FX 6, em dezembro



1.jpg
Dana Whiete reina absoluto no MMA mundial
12/01/2013 às 10:30

Com o fim do StrikeForce, o UFC torna-se o maior exemplo de monopólio de organização de MMA. Com 20 anos de estrada e avaliado em mais de US$ 1 bilhão, o Ultimate deve receber boa parte dos lutadores do SF, chegando a 475 funcionários contratados, mercados consolidados no EUA, no Brasil, Austrália e Inglaterra, e entrando em países populosos, como China e Japão.

A marca deve chegar em breve à India, Filipinas e outras praças promissoras. Parte dos lutadores do Strikeforce deve migrar para o UFC. Amazonense de direito, mas não de fato, o capixaba Ronaldo Jacaré luta hoje no derradeiro SF já como contratado da organização gerida pelo executivo Dana White.

Adriano Martins, amazonense de fato e de direito, pode ganhar vaga no UFC, mas tem que impressionar o careca como uma bela finalização ou nocaute convincente sobre o compatriota Jorge Gurgel.

José Aldo, outro exemplo local, já reina absoluto na categoria pena (até 66 quilos) e tentará se dar bem na leve (71 quilos), em fevereiro, contra Frank Edgar.

O manacapuruense Ronys Torres já esteve por lá, mas foi garfado e acabou dispensado após duas derrotas consecutivas. Dana se gaba de nunca ter tido mortes ou lesões graves em duas décadas de evento, e isso, de certa forma, ajuda a manter uma aura de credibilidade da marca. E assim o UFC ganha o mundo. It´s time!


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.