Publicidade
Esportes
Após eliminação

‘Futebol só em 2017, com a nova diretoria’, afirma diretor do Nacional

Os jogadores do Naça começam a arrumar as malas para deixar a Vila Municipal após um decepcionante 2016 21/10/2016 às 13:31 - Atualizado em 21/10/2016 às 13:48
Show show nacional
O Nacional encerra a temporada de 2016 sem conseguir o acesso para a série C e sem o título do Campeonato Amazonense (Foto: Arquivo A Crítica)
Camila Leonel Manaus (AM)

Acerto de contas e expectativas por mudanças após uma temporada que não vai deixar saudades para o Nacional, este é o cenário no clube da Vila Municipal após a eliminação nas semifinais do Campeonato Amazonense, na última quarta-feira (19). Não houve reunião entre plantel, comissão técnica e diretoria, mas já está acontecendo o acerto de contas e tendência é que, nos próximos dias, os jogadores e o técnico, Álvaro Miguéis, voltem para o Acre.

O diretor de futebol do clube, Carlos Souza, comentou que as contas já estão sendo acertadas e que a maioria do elenco trazido do Acre deva viajar na segunda-feira. O vínculo dos 13 jogadores e do técnico terminam no dia 31 de outubro. No caso de Hayllan, Jack Chan e Charles, o contrato dos jogadores vai até 2018 e, com o encerramento das atividades, serão emprestados. Os jogadores que estão machucados, continuam até serem liberados do Departamento médico. 

“Futebol agora só em 2017 com a nova diretoria”, disse o diretor Carlos Souza. No mês de novembro, o Nacional terá eleições para escolher o presidente do clube. O dia ainda não foi definido. Na avaliação de Souza, o maior erro do Nacional foi ter três times em um único ano. “Os times que estão com técnicos desde o começo estão liderando o brasileiro. Londrina. Vasco, Brasil de Pelotas. Então, mudar de técnico não dá certo. Ter três times em uma temporada não dá certo”, disse.

Após a eliminação na série D, o Nacional efetivou o então auxiliar técnico Alan George com um discurso de manter uma base para 2017. Pouco mais de um mês depois, o clube trouxe 13 jogadores e mais o treinador, todos do Atlético do Acre. O motivo para a mudança de planos foi a greve dos jogadores. “Todas (as mudanças) por causa da falta de dinheiro. Da greve. Tinha de mudar senão ia tomar  W.O”, concluiu.

Publicidade
Publicidade