Sábado, 24 de Agosto de 2019
Craque

Galo e Naça jogam o primeiro clássico de 2013 com a presença de ídolos antigos

O duelo vai mostrar a proposta de ambas as equipes na atualidade, e iniciar uma nova era, após 100 anos de rivalidade



1.jpg Elenco do Rio Negro espera viver dias melhores neste Amazonense
16/02/2013 às 11:19

O passado, o futuro e o presente do confronto entre Nacional e Rio Negro terão uma forte conexão na tarde deste sábado (16). Isso porque grandes jogadores que marcaram época nos dois clubes estarão presentes para um momento de nostalgia, antes de a bola rolar. Em seguida, o duelo vai mostrar a proposta de ambas as equipes na atualidade, e iniciar uma nova era, após 100 anos de rivalidade. Por tamanha importância, Galo da Praça da Saudade e Leão da Vila Municipal farão, na tarde deste sábado, o “jogo do século”, o primeiro clássico no ano do centenário de ambos os times.

Aos moldes de uma grande festa, a programação do jogo de abertura do Campeonato Amazonense Chevrolet inicia às 13h, no Estádio Roberto Simonsen, com um jogo entre os ex-atletas que brilharam em Rio Negro e Nacional dos anos 1970 em diante. Entre os ídolos nacionalinos, Campos, Edu, Paulo Galvão, Mário Motorzinho estão confirmados. Pelo lado do Barriga Preta, Lívio, Jason, Rolinha, entre outros, também são presença certa.

A festa dará lugar ao Rio-Nal oficial às 15h. Historicamente, existe ampla vantagem do Nacional no clássico. Em 147 jogos desde a profissionalização do futebol amazonense, foram 57 vitórias do Leão contra 39 do Rio Negro, além de 51 empates. A última vitória do Galo no duelo em estaduais foi no dia 22 de janeiro de 2006, com o placar de 2 a 1 no extinto Vivaldo Lima.

Nacional teve uma pré-temporada muito maior e trouxe vários jogadores de fora

Ao contrário do que é de costume, nada de mistério em relação aos times que vão entrar em campo hoje. Pelo lado rionegrino, inclusive, o técnico Iane Geber faz questão de revelar a escalação da equipe. “Tem técnico que não revela o time, mas comigo não tem isso, não”, ressaltou. Em comparação com o ano passado, são apenas três remanescentes entre os titulares: os volantes Pastor e Paca e o atacante Maranhão.

Também permanece o esquema ousado de Geber, o 4-3-3. Pelo que depender do grupo, segundo ele, a alcunha de time de guerreiros, herdada no ano passado, deverá ser mantida. “Esse negócio de falar que o Rio Negro começou tarde é uma desculpa. Eu disse que meu time vai ser um time que, dentro de campo, vai em busca das vitórias. Espírito de luta não vai faltar amanhã”, prometeu.

Assim como o rival, o Nacional promoverá diversas estreias neste domingo (17). No time titular, o único remanescente de 2012 é o atacante Leonardo, artilheiro da competição na época com 14 gols. Ex-Fast, o meia Roberto Dinamite é outro conhecido do torcedor amazonense e está confirmado como primeiro volante. A julgar pelas escolhas do técnico Vilson Tadei, o Naça também pode usar o 4-3-3, com Felipe, ex-Penarol e América, e Bruno Sabino pelas pontas, tática com possível variação para o 4-4-2 ou o 4-5-1.

Com um discurso burocrático, Tadei prega respeito ao adversário e espera ter uma boa avaliação da equipe no primeiro teste. “A expectativa é boa. A gente sabe das dificuldades que vamos encontrar, todo campeonato é difícil. Tem que trabalhar e agora dar ritmo. Vamos ver como a equipe vai se portar”, declarou o treinador.

Ficha Técnica

Nacional

Carlos Luna; André Luiz, Anderson Rocha, Rafael Morisco e Wesley Bigú; Roberto Dinamite, Miltinho (Willames) e Danilo Rios; Bruno Sabino, Felipe e Leonardo. Técnico: Vilson Tadei.

Rio Negro

Nelsinho; David, Alex Sandro, Greg e Renato Lucas; Pastor, Paca e Fernandinho; Cristiano Natal, Maranhão e Alisson. Técnico: Iane Geber

Estádio: Roberto Simonsen (Sesi) Horário: 15h
Arbitragem: João Batista Cunha Brito.
Assistentes: Marcos Santos Vieira e Jander Rodigues Lopes.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.