Publicidade
Esportes
Base

Garotos do 3A sonham com o 1º lugar no pódio do Peladinho 2017

Fundado há 12 anos, o time de garotos do conjunto Oswaldo Frota vem que vem em busca do topo do pódio do Peladinho. Crido por amor ao futebol e aos filhos, o time também briga na categoria Principal 25/11/2017 às 14:14 - Atualizado em 25/11/2017 às 14:15
Show poi
Meninos do 3A vêm de grande vitória no mata-mata e seguem firmes em busca da taça (Foto: Evandro Seixas)
Denir Simplício Manaus (AM)

Três letras que formam um time que tem mais de uma década de história no maior campeonato de peladas do Mundo. Criado por Arão da Silva M. Neto, 53, o 3A FC tem esse nome por conta do amor de um pai por seus filhos e pelo futebol, como explica o presidente do clube baseado no conjunto Oswaldo Frota, na Cidade Nova, na Zona Norte da capital.

“O nome do time é uma homenagem a mim e meus dois filhos. Meu nome é Arão e meus filhos se chamam Alan e Andrew, o time começou com eles, ambos jogavam comigo no 3A. Hoje, eles já não jogam mais, estão até se formando”, explicou Arão deixando claro que a escolha não se deu apenas por causa do amor pelas crias. “Eu gosto de esporte e aí já tinha o Peladinho e pra por um nome diferente eu coloquei 3A”, enfatizou.

Hoje, Alan e Andrew estão com 24 e 25 anos, respectivamente, e apenas o segundo segue no 3A, que também está com na briga pelo título do Peladão Principal nesta temporada. “Essa temporada, estou no Principal também e estamos classificados para a terceira fase. O Andrew joga no time. Na verdade, a maioria dos jogadores que estão comigo no Principal iniciaram comigo lá no Peladinho”, pontuou Arão.

Comissão técnica do 3A reunida com o elenco em mais um treino (Foto: Evandro Seixas)

Fundado em 2005, o 3A já esteve entre os oito melhores times do Peladinho e no último final de semana e despachou o Joga 10/Lidan, um dos favoritos ao título desse ano.

Dirigido por Elizeu Alves, 50, o 3A é uma equipe que tem no coletivo sua maior arma. “No nosso time são quase todos do mesmo nível. Não tem aquele garoto que podemos dizer: ‘joga a bola nele que ele resolve’, todos estão bem nivelados”, disse Elizeu que tem atletas até do outro lado do rio Negro.

“Tenho quatro atletas no time que atravessam o rio pra jogar no Peladinho. Eles vêm de uma comunidade no Lago do Janauari e vêm de lancha. Apesar de serem de tão longe, eles nunca faltam um treino e servem de exemplo pros que são daqui”, elogiou o treinador.

Treinando no estádio Oswaldo Frota, Elizeu quer chegar longe com o seu 3A. “A gente formou um time bom mesmo aqui da Zona Norte porque, ano retrasado fizemos isso e fomos campeões do Peladinho com o Casemiro de Abreu. E esse ano a gente quer ver se repete a dose aqui, até pela estrutura que nós temos agora com o campo do Oswaldo liberado pra nós”, concluiu.

Como um gato!

Todo bom time começa por um grande goleiro e o 3A tem um arqueiro bem ‘grande’

Tem um ditado que diz: “As aparências enganam” e como se enganam os atacantes que pensam ser fácil marcar gol no time do 3A. Isso porque nas traves da equipe do Oswaldo Frota tem uma verdadeira muralha. Ops, Muralha não! Um Gatito.

O goleiro Clébio Marcus Fernandes Júnior, de 13 anos, foi o grande destaque do time no último mata-mata do Peladinho ao “operar” verdadeiros milagres contra o Joga 10/Lidam. Seria até normal um arqueiro defender sua meta, acontece que Clebio não tem o padrão físico habitual dos goleiros, que geralmente são magros e altos.

O camisa 1 do 3A é até gordinho (sem bullying, hein?) e vai na contra-mão da normalidade provando que pra ser boleiro não importa a forma física e sim a vontade de jogar futebol.

Clebio 'Gatito' Fernandes tem se destacado no gol do 3A (Foto: Evandro Seixas)

“Toda vez é assim. Antes de começar o jogo eles (adversários) falam que eu sou gordinho que é só bater que é gol. Mas depois do jogo eles ficam impressionados com a forma que eu sei agarrar e como sou ágio e rápido embaixo das traves”, enfatiza Clebio, que é fã de Gatito Fernandez, do Botafogo, e Diego Alves, do Flamengo. Mas nem venha chamá-lo de Muralha, que a bronca é feia.

“Admiro os dois, mas como sou flamenguista e o Diego Alves tá agarrando muito prefiro ele. Mas Muralha não dá, ele não pega nada”, disse o jovem goleiro que iniciou a carreira em outra posição.

“Comecei jogando na zaga, mas depois fui pensando que talvez desse certo ir pro gol. Assim, me apeguei pelo gol e deu vontade de ficar de vez nessa posição”, declarou Clebio “Gatito” Fernandes, que no fim de semana vai encarar os atacantes do Família Paladinos/Bayarn.

 

Publicidade
Publicidade