Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
publicidade
Craque

Germânicos e argentinos que moram em Manaus contam as horas para a final do Mundial

Em Manaus, o CRAQUE conversou com duas famílias, que agora, com a Seleção Brasileira fora da decisão, já sabem exatamente para quem vão torcer na partida deste domingo (13), no Maracanã



1.gif
As torcidas se preparam para torcer durante a partida
publicidade
publicidade
13/07/2014 às 15:12

Torcedores alemães e argentinos contam as horas para a final da Copa do Mundo começar. Em Manaus, o CRAQUE conversou com duas famílias, que agora, com a Seleção Brasileira fora da decisão, já sabem exatamente para quem vão torcer na partida de hoje, no Maracanã. E motivos para apoiar germânicos e hermanos não faltam.

A professora Nilma Brasil Falcón é casada há 27 anos com o chefe de cozinha argentino Raul Falcón, e estava em Buenos Aires no dia da fatídica derrota de 7 a 1 do Brasil para a Alemanha, na última terça-feira, no Mineirão. Segundo Nilma, os hermanos são bastante discretos, e por isso viu poucas pessoas comemorando o vexame brasileiro. 

“Os brasileiros são mais explosivos que os argentinos. É claro que muitas pessoas em Buenos Aires gostaram da derrota do Brasil, mas comemoraram de uma maneira bem discreta. Pelo olhar e pelos gestos de alguns era possível perceber que eles estavam satisfeitos com a eliminação do Brasil”, comentou Nilma.

Mas não foram todos os hermanos que gostaram da derrota brasileira.

“Eu fiquei realmente triste com a goleada que o Brasil recebeu. Quando a Alemanha fez o quinto gol, eu não aguentei e chorei. O futebol no Brasil é uma questão cultural, as pessoas crescem tendo que escolher um time para torcer e eu chorei porque lembrei justamente das crianças”, revelou Raul Falcón, argentino, que mora no Brasil há mais de 30 anos.

Nilma faz mestrado em Educação na terra dos hermanos e por isso está sempre com um pé lá e outro cá. De acordo com ela, chegar à final da Copa do Mundo no Brasil era um desejo muito grande dos argentinos, mas a classificação surpreendeu bastante.

publicidade

“Foi uma surpresa, afinal eles não chegavam a uma final há muito tempo. Mas é claro, que todos estão muito felizes e confiantes quanto à vitória diante da Alemanha no Maracanã”, completou.

Alemães em Manaus

No jogo de terça-feira, entre Alemanha e Brasil, o alemão Jochen Fchoenga, Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/ MCTI), que mora em Manaus há mais de dez anos, sofreu junto com os 200 milhões de brasileiros que viram a Seleção ser goleada em casa. Mas hoje ele vai torcer claro, pelo seu país de origem.

“Eu não sei o que aconteceu com o Brasil. Mas acredito que Thiago Silva - responsável por organizar toda a defesa do time - e Neymar - o grande craque - fizeram falta. Mas passou e agora é hora de torcer pela Alemanha”, disse Fchoenga.

“Acredito que chegou a hora da Alemanha levantar a taça. Já tivemos pelo menos quatro tentativas de conquistar o título e sempre batemos na trave. Por isso, acho que agora chegou a hora e por tudo que jogou, a Alemanha merece vencer a Argentina”, completou o pesquisador alemão.

E Jochen Fchoenga não está sozinho: o filho Lucas, de 13 anos, vai apoiar o pai e também vai torcer pela equipe germânica. “Infelizmente, o Brasil não está mais na Copa e por isso, agora, vou torcer pela Alemanha, que é o país do meu pai”, disse Lucas.

Já a esposa do pesquisador, Jucilete Fchoenga ainda está muito abalada com o vexame da Seleção Brasileira nas semifinais do Mundial, e não está muito empolgada com o jogo de hoje. “Difícil entender o que aconteceu com o Brasil, é uma situação muito difícil, estou triste. Mas talvez torça pela Alemanha”, pontuou.

publicidade
publicidade
MPF denuncia militar que disparou arma de fogo em rua de Manaus
Videoconferência em audiências de réus presos em Manaus é lançada
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.