Publicidade
Esportes
Craque

Goleiro amazonense foi ídolo no Flamengo nas décadas de 20 e 30 e atuou pela Seleção

Médico por formação, Amado Benigno é considerado até hoje um dos maiores goleiros da história rubro-negra, e foi cogitado para jogar primeira Copa do Mundo pelo Brasil 25/11/2015 às 13:15
Show 1
Amazonense é citado em obras sobre a história do clube como ídolo de luvas
Felipe de Paula Manaus (AM)

Manaus tem uma das maiores torcidas rubro-negras fora do Rio de Janeiro. Mas o que pouca gente sabe é que, nas décadas de 20 e 30 do século passado, quando o futebol ainda se consolidava como grande esporte nacional, um amazonense se tornou ídolo do mais tradicional clube brasileiro, chegou a jogar na Seleção Canarinho e protagonizou histórias que entraram pro folclore futebolístico do País.

Seu nome: Amado Benigno. Médico por formação, o predecessor de outros amazonenses que se tornaram ícones nacionais no futebol, como Gilmar Popoca (Flamengo), Berg (Botafogo) e Lima (São Paulo e Roma), Amado é considerado até hoje um dos maiores goleiros da história do Rubro-Negro carioca. De 1923 a 1934, atuou em 124 partida e hoje é o 15º goleiro que vestiu mais vezes a camisa do Flamengo.

O fato curioso foi trazido à tona pelo historiador Gaspar Vieira Neto, que desde 2011 vem se dedicando a pesquisas sobre a história do futebol amazonense. Ao se deparar com o livro História dos Campeonatos Cariocas, de Roberto Assaf e Clovis Martins, o pesquisador descobriu, por acaso, que um conterrâneo seu brilhava nos gramados brasileiros há mais de 90 anos e chegou a ser bicampeão carioca (em 1925 e 1927).

“Foi por acaso. Há cinco anos atrás comprei um livro na (livraria) Saraiva de quase 700 páginas sobre a história do Campeonato Carioca desde 1906. Tem o nome dos jogadores campeões de cada ano. Eu estava vendo o Flamengo de 25 e 27 e vi o nome dele, com a naturalidade de Manaus e já me chamou atenção. Entrei no site do Flamengo e descobri que ele foi um dos maiores goleiros da história do clube”, contou.

A partir de então, Gaspar iniciou uma saga para obter mais informações sobre o ídolo esquecido. Segundo Gaspar, que pesquisou em arquivos do clube carioca disponíveis na Internet, Amado nasceu em Manaus no dia 14 de janeiro de 1903, em pleno período áureo da borracha. Aos 20 anos, já se encontrava na capital federal, à época o Rio de Janeiro, defendendo o Flamengo.

HISTÓRIADe acordo com a pesquisa de Gaspar, Amado estreou no clube da Gávea dia 6 de maio de 1923, em vitória do Flamengo sobre o São Cristóvão por 3 a 1, pelo Carioca daquele ano. Também chegou a atuar pela Seleção Brasileira, convocado para o amistoso contra o time do Rampla Juniors, do Uruguai, em fevereiro de 1929. O Brasil venceu por 4 a 2 na ocasião, com o seguinte time: Amado; Grané e Del Délbio; Nerino, Gogliardo e Serafini; Pascoal, Heitor, Petronilho, Nilo e Teófilo.

Embora só tenha jogada uma partida pela Seleção, conta-se que Amado Benigno era um dos candidatos a uma das vagas de goleiro para a primeira Copa do Mundo de Futebol, em 1930, Uruguai. Porém, um caso de indisciplina teria tirado o jogador dos planos da confederação brasileira. “No dia da apresentação, ele foi disputar um amistoso pelo Flamengo em Niterói, e acabou sendo cortado”, relata Gaspar.


Publicidade
Publicidade