Publicidade
Esportes
vexame olímpico

Grandes nomes do esporte no Amazonas foram esquecidos no revezamento da tocha

Amadeu Teixeira e Lyndon Jhonson passaram por constrangimento por causa do erro da organização 21/06/2016 às 15:50 - Atualizado em 21/06/2016 às 18:09
Show l l l
Fotos: Márcio Silva e Winnetou Almeida
Dani Brito Manaus (AM)

No último domingo (19), Manaus parou para receber a tocha olímpica. Cento e setenta e oito pessoas, entre personalidades e anônimos das mais diversas áreas de atuação, tiveram o prazer de conduzir um dos maiores símbolos dos Jogos pelas ruas da capital.

Entretanto, alguns nomes de muita relevância para o esporte local foram esquecidos pelos responsáveis e simplesmente deixados de lado. Um erro gravíssimo dos organizadores.

Ex-atleta dos 110 metros com barreira e um dos poucos amazonenses a disputar uma Olimpíada, Lyndon Johnson (que foi aos Jogos de Seul, em 1988), chegou a ser anunciado como um dos condutores da tocha no mês passado, no evento em que os anéis olímpicos da Arena da Amazônia foram inaugurados.

Porém, sem nenhuma explicação, ele foi cortado da lista dos condutores. “Participei de reuniões e cheguei inclusive a enviar meus dados por email para o comitê organizador. Não entendi o que ocorreu. Das pessoas que vi nas reuniões, apenas eu e o João do Peso (ex-atleta do arremesso de peso nos anos 80 e 90 e que também havia sido anunciado como condutor) ficamos de fora. E o pior foi não receber nem mesmo uma ligação informando a mudança. Ficamos na expectativa e ansiosos, afinal de contas, seria um momento único nas nossas vidas”, relatou Lyndon Johnson.

Lenda ignorada

Outro grande nome do esporte amazonense, o lendário Amadeu Teixeira, 90, fundador do América, equipe pelo qual dedicou sua vida, também ficou de fora. Nas últimas semanas, várias pessoas protestaram nas redes sociais pela ausência de um dos maiores desportistas da história do Amazonas no revezamento. As reclamações chegaram aos ouvidos do comitê organizador local. E o que poderia ser um “gol de placa”, se tornou mais uma “bola fora” da coordenação da passagem da chama por Manaus.

Neta de Amadeu Teixeira, Bruna Parente, 34, contou que recebeu um telefonema do coordenador geral do Comitê Organizador dos Jogos em Manaus, Mário Aufiero, por volta do meio-dia de domingo. Segundo ela, Aufiero teria se desculpado por Amadeu não ter sido lembrado e fez um convite. “Não pedimos para meu avô participar. Foi o senhor Aufiero quem nos procurou dizendo que havia acontecido um grande erro e que queria se redimir, colocando ele para conduzir a tocha em determinado trecho”, relatou Bruna.

Após o primeiro telefonema a família de Amadeu Teixeira passou a tarde inteira recebendo ligações de pessoas informando horários e locais onde ele iria conduzir a tocha. As horas foram passando e nada se concretizava. Por volta das 19h, uma última ligação da secretária de Mário Aufiero informou que infelizmente, seu Amadeu não iria participar do evento.

“Eles disseram que não deu para encaixar. Foi assim que se referiram ao meu avô! A nossa família ficou profundamente triste e indignada com a falta de respeito que trataram esse, que foi um homem que se dedicou ao esporte no Amazonas. Desrespeitaram o meu avô, um idoso chamado de lenda viva do futebol amazonense”, desabafou Bruna. Ela disse que ao receber a notícia, Amadeu Teixeira ficou calado, pensativo e se isolou dentro de seu quarto. Uma decepção profunda que ele não merecia passar ao 90 anos de idade.

Ninguém assume o erro

Na manhã de ontem (20), o coordenador Mário Aufiero, informou que as pessoas estão “confundindo a função” do comitê local, que segundo ele, cuida apenas da organização das partidas de futebol olímpico que irão acontecer em Manaus. Segundo Mário, no revezamento da tocha, a equipe que ele coordena ficou responsável apenas por repassar a lista dos indicados do Governo para o Comitê Rio 2016.

“A maior parte das indicações foi destinada aos patrocinadores. O nosso trabalho foi apenas enviar a lista com os nossos indicados e aguardar a resposta do comitê Rio 2016. Eles tinham o poder de vetar alguém”, explicou Aufiero. Ele ainda disse que a ManausCult exerceu função similar, repassando os indicados pela Prefeitura de Manaus ao Comitê Nacional.

Já o Comitê Nacional da Rio 2016, disse para a reportagem que o último documento recebido de Manaus, não continha os nomes dos atletas Lyndon Jhonson e João do Peso. Após falar com a família de Amadeu Teixeira, a reportagem do MH tentou ouvir novamente a versão de Mário Aufiero, mas, não obteve sucesso.

Publicidade
Publicidade