Publicidade
Esportes
Craque

Hiwy e Funai Amigos do Sapo vencem o Peladão Brahma 2014 na categoria indígena

Mesmo com o campo de número dois da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) bastante alagado, os times deram um verdadeiro 'banho de bola' 12/01/2015 às 10:20
Show 1
Funai Amigos do Sapo levou o título no masculino
Adan Garantizado e Lúcio Pinheiro Manaus (AM)

A chuva que caiu em Manaus na manhã de ontem até tentou, mas, não conseguiu atrapalhar as finais das categorias indígenas do Peladão Brahma 2014. Mesmo com o campo de número dois da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) bastante alagado, os times deram um verdadeiro “banho de bola” nas duas decisões.

E o temporal não ficou apenas do lado de fora. Em campo, houve uma “chuva de gols”, com onze bolas na rede nas duas partidas realizadas. A comemoração ficou por parte das equipes do Hiwy, no feminino e do Funai Amigos do Sapo na decisão masculina.

Formado em sua maioria por atletas da etnia sateré que residem na comunidade indígena localizada no Conjunto Santos Dumont (zona Oeste de Manaus), o Hiwy fez 3 a 2 e desbancou o Selvagem do Amazonas FC (que havia vencido a categoria em 2013). Este foi o segundo título do Hiwy no Peladão indígena feminino nos dez anos em que a competição é disputada. O primeiro tempo das campeãs, aliás, foi avassalador. O Hiwy abriu 3 a 0 no placar com um gol da experiente centroavante Jura, 40 e outros dois da atacante Jarete (que terminou o Peladão como artilheira da competição com seis gols).

No segundo tempo, o Selvagem FC finalmente acordou. Logo aos 5 minutos, a volante Rosa pegou a bola no meio de campo, passou por todas as adversárias e poças d’água que encontrou no caminho e bateu forte para diminuir. O Selvagem continuou pressionando e conseguiu marcar mais uma vez com Rosa, no finalzinho da partida, mas, já era tarde. O apito final confirmou o título para o Hiwy.  “Foi um jogo complicado, pois além de driblar as zagueiras do adversário, a gente também precisava passar pelas poças de água (risos). O título coroa o trabalho que foi feito durante um ano inteiro. Esta é a segunda vez que eu conquisto o Peladão indígena, mas, tem um sabor diferente, pois nesta vez, venci a competição representando a comunidade que eu moro”, destacou a artilheira Jarete. O Hiwy ainda conquistou mais dois troféus individuais: a goleira Jussara foi escolhida a melhor da competição e a meio campista Sara, faturou o título de craque do Peladão indígena 2014.

Masculino

Após passar cinco anos fora do Peladão indígena masculino, a equipe do Funai Amigos do Sapo voltou a disputar a competição nesta temporada. E foi premiada ontem com o seu terceiro título da categoria. A conquista de forma invicta e sem tomar um gol sequer, veio com um “chocolate” em cima do Sateré FC, campeão do ano passado.

Formado por índios da etnia Mura, que habitam a aldeia São Félix, no município de Autazes (cerca de 118 quilômetros de Manaus), o Funai Amigos do Sapo fez 6 a 0 no Sateré FC. Resultado que fez valer todo o esforço dos jogadores para atuar no Peladão indígena nesta temporada.

Para chegar na decisão, os atletas deixaram a Aldeia São Félix às 3h da manhã do domingo, e encararam cinco horas de viagem, fazendo o trajeto de ônibus, lancha, balsa e parte até a pé. Depois de um primeiro tempo sem gols, mas cheio de emoção, o Funai começou o “massacre” aos 4 minutos da segunda etapa. Em uma cobrança de escanteio, a bola sobrou nos pés do atacante Juca, dentro da pequena área. Ele encheu o pé para abrir o placar. Três minutos depois, Juca marcou novamente. Ele cobrou falta quase da lateral esquerda, a bola desviou no caminho e matou o goleiro adversário. Atordoado, o Sateré FC tentou reagir, mas, tomou um golpe fatal aos 17. Em um cruzamento onde o lateral José praticamente “colocou” a bola na cabeça do camisa 11 Jorel, o Funai chegou ao seu terceiro gol. A torcida não aguentou e soltou o grito de “É campeão!”. Aos 21, Jorel recebeu livre pela esquerda, invadiu a área e “fuzilou” para anotar o quarto gol do Funai Amigos do Sapo. A equipe de Autazes ainda marcaria com o meia Nena, aos 26 e o volante Ranisson, aos 28 para completar a goleada. O clima ainda esquentou nos últimos minutos, por conta de algumas jogadas mais duras por parte do Sateré FC, mas, os ânimos se acalmaram.

A volta olímpica do Funai Amigos do Sapo foi embalada pelo grito de “o campeão voltou” (o Funai Amigos do Sapo venceu o Peladão indígena em 2007 e 2008). O time ainda fez o craque e o artilheiro da competição (ambos troféus do atacante Juca). A equipe, agora mira uma vaga entre os 16 melhores da categoria principal do Peladão Brahma. Para isto, o Funai Amigos do Sapo precisa derrotar os vencedores dos torneios do “Peladão interior” (que reúne os campeões dos municípios do Estado), e do “Paralelo da Rainha” (equipes que foram eliminadas do mata-mata, mas retornam para a competição por conta da boa classificação de suas candidatas no concurso). Os jogos devem acontecer na próxima semana. “Este título foi trabalho de muito treino e dedicação. E por isso, agora sonhamos sim em conseguir uma vaga nas oitavas do Peladão principal. Mas, antes, vamos comemorar bastante”, disse o empolgado Fábio Gama, treinador e goleiro reserva do Funai.

Apenas 30 seguem ‘vivos’

Após três meses de competição, das 426 equipes que entraram na disputa pelo principal troféu do Peladão Brahma, restam apenas 30.


Entre os 30 times que mantém vivo o sonho do título está o OB2, o Manicoré F. C. e o Unidos do Braga Mendes.

Das três equipes, o Unidos do Braga Mendes foi o que conseguiu a classificação para a próxima fase de forma mais tranquila. O time da zona Norte da cidade passou sem sustos pela Rua 2 BBQ, do Nova Esperança, vencendo por 2 a 0. Os gols foram marcados por Leandro e Adriano.

Já o OB2 e o Manicoré, depois de empatares com seus adversários em 1 a 1, tiveram que decidir a classificação nos pênaltis. O OB2 conseguiu chegou à classificação após vencer nos pênaltis a equipe do Puraquequara, que ficou em 4º lugar na edição de 2013. O time de Manicoré comemorou a classificação depois de vencer por 3 a 2, também nos pênaltis, o RDC.

Publicidade
Publicidade