Publicidade
Esportes
'Liberta' Feminina

Hulk inicia preparação pro duelo com Huila, pela semifinal da Libertadores

Técnico do Iranduba, Igor Cearense, avalia o adversário do time amazonense na luta por uma vaga na finalíssima da Libertadores Feminina 2018; partida decisiva acontece, às 18h, da quinta-feira (29), na Arena da Amazônia 26/11/2018 às 18:19
Show a2 abd2b911 2481 4d10 b2be 0ad6281ee9fb
Iranduba encara Atlético Huila-COL pela semifinal da Liberta na quina (29) (foto: Denir Simplício)
Denir Simplício Manaus (AM)

Passado o drama da classificação à semifinal da Libertadores Feminina – onde o Hulk só avançou após vitória do Flor de Pátria sobre o Cerro Porteño, no sábado (24) -, o Iranduba volta suas forças para o confronto decisivo com o Atlético Huila-COL. Nesta segunda-feira (26), as comandadas do técnico Igor Cearense voltaram aos trabalhos naquele que foi o único treino aberto à imprensa antes do duelo com as colombianas, marcado para às 18h da próxima quinta-feira (29), na Arena da Amazônia.

Classificadas em primeiro no Grupo A, a frente de Audax, Unión Española-EQU e Peñarol-URU, a equipe do Atlético Huila-COL promete dar trabalho às Guerreiras do Hulk. “O Huila é uma equipe muito forte, que marca forte e joga também, né? É uma equipe muito bem treinada e qualificada. A gente viu uma postura defensiva muito forte e uma equipe que joga muito compacta”, analisou Igor Cearense mostrando preocupação com os contra-golpes do time colombiano.

“A gente tem de ter muito cuidado porque o adversário, além de marcar forte, tem um contra-ataque muito rápido. Nós temos de nos precaver muito com isso, mas estou muito confiante. Lógico, sempre respeitando o adversário, mas temos tudo pra fazer uma grande semifinal e chegar nessa final”, comentou o treinador do Hulk.

Ataque perigoso

Quando o assunto são os números de Huila e Hulk, o ataque das colombianas é melhor e já marcou em seis oportunidades no torneio contra cinco gols do Iranduba. Questionado porque o ataque do time amazonense tem deixado à desejar na Libertadores, Igor Cearense diagnosticou o problema.

“Na verdade, a gente tem criado inúmeras chances de gol, mas eu tenho detectado um problema que tem nos atrapalhado desde o início da competição que é a ansiedade. A pressa pra fazer o gol, pra definir a jogada, e isso tem nos atrapalhado”, apontou o treinador que tem mais dois dias de treino para preparar o Hulk pro jogo histórico que pode colocar o Iranduba em sua primeira final internacional.

Cearense tenta tirar ansiedade do ataque do Hulk (Foto Denir Simplício)

“Essa é uma semana que vamos focar mais parte tática, organizar mais a equipe pra jogar mais próxima e tirar essa ansiedade delas. Porque se essa ansiedade sair, acredito que nós vamos fazer bastante gols e vamos ter uma tranquilidade maior nos jogos e não vamos precisar passar todo esse sufoco pra buscar a classificação”, disse o treinador revelando que vai investir no lado psicológico de suas comandadas.

“Vamos trabalhar mais na parte psicológica e a organização tática. Temos de nos organizar um pouquinho mais e sem pressa. Temos de ficar um pouco mais com a bola, rodar (o jogo), porque o forte dessa equipe é a posse de bola e a organização. Com essa ansiedade de que numa competição curta você ter de ir o mais rápido possível nos jogos, isso tem nos atrapalhado”, disse Igor Cearense apontando o que pode ser o lado mais forte do Huila.

“O Atlético Huila que vi jogar não tem essa jogadora que você tem de marcar individualmente, o forte deles é o conjunto, a força, a vontade de ganhar e acho que temos de ficar ligados na organização tática delas”, concluiu.

Publicidade
Publicidade