Publicidade
Esportes
Peladão 2016

Idesca/Palas Atena 2002 vence Unidos da Favela pelo placar de 3 a 1

Agora restam apenas oito times na disputa do campeonato de peladas para jovens de 12 a 14 anos de idade. 18/12/2016 às 15:43
Show peladinho
Palas Atena superou o time Unidos da favela, e segue na disputa. (Foto: Antônio Menezes)
Jéssica Santos Manaus (AM)

O vitorioso time do Palas Atena 2002 venceu mais uma neste domingo (18), e está entre os oito melhores times do Peladinho, campeonato de peladas para jovens nascidos entre 2002 a 2004. O Palas venceu o Unidos da favela por 3 a 1, em jogo disputado no campo do 3B, localizado no bairro Aparecida, Zona Sul de Manaus.

Empurrados por uma torcida agitada e com os nervos à flor da pele, o Idesca/Palas Atena não deu muita chance ao time adversário. Iran Daniel, mais conhecido como Pitt, fez dois gols para o Palas, e Fredson também marcou o seu, no primeiro tempo. No segundo tempo, o Unidos da favela voltou melhor para o jogo, e diminuiu a diferença no placar, com gol de Renan. Mas ficou por isso mesmo. 3 a 1 Palas Atena, que segue na disputa do campeonato de Peladas.

Idesca/Palas Atena

“Tivemos um bom primeiro tempo, mais qualidade e bom volume de jogo. No segundo tempo, o time deu uma esfriada, mas como a gente já tinha feito o placar, conseguimos segurar o resultado, e só tomamos um gol por falha nossa, mas seguimos no campeonato”, destacou o treinador da equipe, Bruno Cristoferson.

Iran Daniel, o Pitt, fez dois dos três gols do Palas Atena 2002. (Foto: Antônio Menezes)

O artilheiro do Palas Atena, Pitt, falou de como ficou satisfeito com o desempenho do time. “O jogo foi bastante pegado, no primeiro tempo, graças a Deus conseguimos abrir uma vantagem grande, e segundo tempo só seguramos o jogo, tranquilo. Também tivemos alguns erros táticos, e levamos um gol, mas toda a equipe está de parabéns, e eu fico grato por ter feito os dois gols do time”, disse Pitt.

Unidos da favela

 “Nosso time sempre é montado com muita dificuldade, por não termos patrocínios, mas viemos com uma boa equipe, e continuamos com nosso projeto social, tentando sempre mudar a história desses e de outros meninos, através do futebol. Tem muita violência no nosso bairro, e o futebol é a saída que encontramos para afastar os jovens de 12, 13 e 14 anos das drogas e da violência”, disse Gladson dos Santos, um dos fundadores do time da Colônia Antônio Aleixo, na Zona Leste.

Publicidade
Publicidade