Publicidade
Esportes
Craque

Inconformado com sistema do clube, Luis Mitoso renuncia cargo de vice-presidente do Nacional

O vice do clube alega que não foi consultado na contratação de Aderbal Lana. Presidente confirma o episódio e avisa quem é que manda no Leão 15/03/2013 às 11:30
Show 1
Cortez deixou bem claro que a decisão foi “100% dele”
Bruno Tadeu ---

Inconformado por não participar da reunião que definiu a demissão do técnico Vilson Tadei e a contratação de Aderbal Lana, o vereador Luis Mitoso renunciou, nesta quinta-feira (14), ao cargo de vice-presidente do Nacional. A justificativa da saída do ex-dirigente desmente a versão do clube divulgada na segunda-feira (11), na qual a agremiação, por meio da assessoria de comunicação, ressaltou o consenso entre todos os diretores nas decisões.

Questionado pela reportagem do CRAQUE na tarde desta quinta-feira sobre a saída de Mitoso, o presidente do Nacional, Mário Cortez, assumiu a controvérsia de forma enfática. “Foi escolha do presidente. O sistema do Nacional é presidencialista, então é o presidente quem decide, independente da posição dos diretores. Fui eu mesmo, partiu de mim a decisão”, admitiu.

O ex-vice-presidente, por sua vez, não poupou críticas a Cortez por ser ignorado num momento de mudanças no clube. “Acho que essa não é uma maneira saudável de administrar um grande clube como o Nacional. E apesar de ter sido publicado (o contrário), nunca fui convocado para essa reunião. É uma informação inverídica”, esclareceu Mitoso.

Sentido-se desvalorizado, Mitoso desabafou que sempre ouviu as opiniões de Cortez enquanto esteve no cargo de presidente do Naça. “Nesses quatro anos (2008-2012), eu nunca abdiquei de conversas com os conselheiros e ele (Cortez) sempre participou de minhas decisões. Eu poderia ir para a reeleição neste ano, mas ele falava que queria ser presidente no centenário”, declarou.

Luis Mitoso revelou que a entrevista concedida por Aderbal Lana ao CRAQUE, publicada na última quarta-feira, também influenciou na decisão de deixar o clube. “Ele disse que não terá mais contato com alguns diretores, que no caso sou eu e o diretor Giovanni Alves. Para ele falar isso, deve ter negociado com a presidência que nós não teríamos mais contato com o trabalho dele. Ele teve essa deselegância e acabou rasgando o estatuto do clube, dos encargos do vice-presidente. Para bom entendedor...”, contemporizou.

A polêmica reunião de segunda-feira aconteceu, aparentemente, de forma estranha e emergencial. No início da tarde, a reportagem do CRAQUE entrou em contato com o diretor de futebol Gilson Mota, que alertou sobre o a reunião. Mário Cortez, por outro lado, havia negado a informação momentos antes de desmenti-la, quando a saída de Tadei foi confirmada.

Richa com Lana

Luis Mitoso e Aderbal Lana são desafetos. No ano passado, após o primeiro jogo da final do Campeonato Amazonense, com o empate em 2 a 2 entre Nacional e Fast, a diretoria nacionalina comunicou Lana que um torcedor enviou um e-mail supondo que o treinador tentou entregar a partida, visto que era amigos de dirigentes fastianos.

Essa suposição, segundo Mitoso, deixou Lana claramente incomodado, considerando uma suposta pressão da diretoria pelo resultado. O ex-dirigente do Nacional minimizou. “Eu disse que se ele não estiver confortável, que poderia sair. Nesse intervalo, fizemos reunião com os jogadores, na quarta, a maioria dos jogadores queria ir embora. Prometemos mundos e fundos para esses jogadores, como contratação para 2013”, disse Mitoso, presidente na época do episódio.

Na partida decisiva, o Nacional foi vitorioso, mas Aderbal Lana não estava presente na comemoração. Chateado com a acusação de ter facilitado para o Fast no primeiro jogo, ele saiu assim que o jogo foi encerrado.

Publicidade
Publicidade