Publicidade
Esportes
BRASILEIRO FEMININO

Iranduba inicia a 'semana decisiva' treinando no campo da Arena da Amazônia

Na manhã de hoje, o time fez um trabalho coletivo na Arena da Amazônia visando o duelo contra o Rio Preto nesta quinta-feira (20) 17/09/2018 às 17:50 - Atualizado em 17/09/2018 às 17:50
Show dia d 6fdb9279 334e 4e01 aa95 32854cdd92aa
Foto: Winnetou Almeida
Camila Leonel Manaus (AM)

Começou para o Iranduba aquela que o treinador Adilson Galdino chama de “semana mais importante do ano”. E antes do grande dia, o time treina forte para o duelo contra o Rio Preto nesta quinta-feira (20), às 20h, na Arena da Amazônia. Na manhã de segunda-feira (17), o time treinou na parte da manhã no palco da partida.

“A gente tem conversado bastante com elas. É a semana mais importante do ano para nós. É um momento único que estaremos vivendo. Elas estão focadas a cada sessão de treino, estão fechadas para jogar por essa classificação”, disse o técnico Adilson Galdino.

Para classificar, o Iranduba tem que vencer por dois gols de diferença já que no jogo de ida, o Rio Preto venceu por 1 a 0. Com essa necessidade de marcar gols, o Hulk pode vir mais ofensivo. Durante o coletivo desta segunda, o time chegou a ter quatro atacantes em campo com Elisa, Giovânia, Moara e Mayara, mas Galdino garante que as características do time não irão fugir muito do que foi trabaçhado durante toda a competição.

“Não vai fugir muito do que já vínhamos fazendo. No começo jogávamos com extremas e jogadoras de referência. Nos últimos três jogos passamos a ter três volantes, duas atacantes e uma meia de ligação, mas com algumas movimentações e temos que fazer isso. Estamos jogando em casa e precisamos buscar o gol a qualquer momento que isso que vai dar a classificação pra gente”, explicou.

E por falar em jogar em casa, o técnico destacou que na Arena da Amazônia a história é diferente. Fatores como o clima, o campo e até a torcida serão fatores para ajudar o Hulk a sair com a classificação.

“Jogando aqui vamos reencontrar o nosso torcedor e essa massa que nos apóia é importante. E as jogadoras estão cientes e vão dar a resposta em campo. O campo também muda, já que o gramado aqui beneficia o nosso estilo de jogo que é mais técnico e em Rio Preto não é tão assim. Então tudo isso é benéfico e esperamos envolver o adversário dentro de campo”, finalizou.

Publicidade
Publicidade