Publicidade
Esportes
Craque

Jogador do Flamengo, Eduardo da Silva fala sobre jogo na Arena da Amazônia, em Manaus

CRAQUE entrevista o atacante do rubro-negro e ex da seleção croata sobre sua volta à Arena da Amazônia neste final de semana, no clássico contra o Botafogo 21/10/2014 às 08:23
Show 1
Com a camisa do Mengão, ele vai comendo pelas beiradas
Felipe de Paula Manaus-AM

Quatro meses depois de atuar em território amazonense pela seleção da Croácia, em partida contra Camarões durante a fase de grupos da Copa do Mundo, o atacante do Flamengo Eduardo da Silva volta à Arena da Amazônia neste final de semana no clássico contra o Botafogo, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em junho, a Croácia, país pelo qual o jogador rubro-negro é naturalizado, aplicou uma goleada de 4 a 0 nos camaroneses. O último gol contou com a participação de Eduardo, que entrou no segundo tempo. No sábado, o carioca de 31 anos deve entrar em campo como titular, já que o centroavante Alecsandro teve uma fratura no crânio e só deve voltar aos gramados em 2015.

“É sempre especial voltar aos lugares em que temos boas histórias para relembrar”, lembra Eduardo, que atendeu ao CRAQUE, respondendo por e-mail as perguntas feitas pela reportagem.

Embora sucinto, o atacante falou sobre assuntos diversos, como a adaptação ao futebol brasileiro, a boa fase como xodó da torcida flamenguista e o clássico que será celebrado em Manaus no próximo sábado.

“Clássico sempre é bom de jogar. Sempre queremos vencer, por conta da rivalidade, independente da situação dos times”, declarou ele, fazendo referência à briga do Botafogo para fugir do rebaixamento para o ano de 2015.

Saudade de casa

Carioca da Vila Kennedy, Eduardo da Silva cresceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas se mudou para a Croácia aos 17 anos em busca do sonho de se tornar profissional. Deu mais do que certo: naturalizou-se croata, jogou uma Copa do Mundo e hoje é o segundo maior goleador da história do país europeu, atrás apenas de Suker (artilheiro do Mundial da Fifa de 1998).

Durante o período de realização da Copa no Brasil, Eduardo foi convidado a estudar a possibilidade de jogar pelo Flamengo. Segundo ele, não pensou duas vezes. Com a mãe morando no Rio de Janeiro e há mais de uma década sem conviver com o filho, a negociação não demorou para se concretizar.

“Foi uma emoção diferente. Voltar para o Brasil, onde nasci, mas não havia jogado ainda. Estou mais próximo da minha mãe, realmente. Ela é muito importante para mim”, contou o jogador, que tem contrato assinado até dezembro de 2015 com o time da Gávea, onde, desde que chegou, tem feito atuações providenciais e, embora não tenha firmado titularidade, é um dos xodós de parte da torcida. “Quero fazer história e conquistar títulos”, diz ele, ambicioso. Desde que chegou, Eduardo já jogou 14 jogos (oito como titular) e marcou sete gols.

PERGUNTAS

1º Voltar para o time mais popular do País, para a cidade que você nasceu, foi a volta que você sonhou?

Estou muito feliz no Flamengo. Quando recebi a proposta não pensei duas vezes. Oportunidade única de realizar um sonho meu, da minha família e conquistar títulos por um grande clube brasileiro.

2º É verdade que sua mãe é flamenguista? Como você falou para ela que tinha recebido proposta para vir morar no Brasil?

Foi uma emoção diferente. Voltar para o Brasil, onde nasci, mas não havia jogado ainda. Estou mais próximo da minha mãe, realmente. Ela é muito importante para mim.

3º Você é o segundo maior artilheiro da história da Croácia. Já pensou quais são suas metas de números no Brasil?

Quero fazer história e conquistar títulos. Artilharia é consequência.

Artilheiro por minuto

Tímido e breve nas respostas, o meia-atacante do Flamengo se não se apequena quando projeta o seu futuro no time rubro-negro. “Penso sempre em ajudar. O início tem sido bem bacana, inclusive com oportunidade de ser campeão da Copa do Brasil. Sei que tenho qualidade para ajudar no que for preciso”, disse ele, que tem ajudado o rubro-negro com gols decisivos.

E, agora, sem o atacante Alecsandro, com quatro fraturas na região do olho, o atacante canhoto e de boa finalização deve assumir uma função com a qual ele fez sucesso na Europa. Seus números dão sinais positivos: em tempo de atuação por partida, ele é o artilheiro do campeonato, com sete gols em 702 minutos jogados, a melhor média do campeonato. No entanto, Eduardo evita se colocar como “novo xodó” da nação rubro-negra pelos gols que tem marcado e prefere um discurso mais moderado.

“Eu almejo títulos. Se no futuro eu virar ídolo, ficarei feliz. No entanto, tenho consciência de que ainda falta chão para isso”, falou o jogador, que só não quis comentar com a reportagem os motivos pelos quais deixou a seleção da Croácia, mesmo tendo se tornado o segundo maior artilheiro histórico daquela Seleção.

“A situação com a seleção está bem resolvida. Agora tenho outros objetivos, como ser campeão no Flamengo”.

Fla numa encruzilhada

Novos sustos na reta final do Brasileiro podem atrapalhar a dura luta para chegar à decisão da Copa do Brasil. Sendo assim, a menos de uma semana de começar a semifinal com o Atlético-MG, no dia 29, o Flamengo se vê diante de uma encruzilhada: de um lado, a expectativa pelo mata-mata com os mineiros; de outro, o risco de ver a “confusão”, que parece distante, voltar a se aproximar.

Com 37 pontos, o Fla tem uma margem de segurança em relação à zona do rebaixamento: sete pontos. E a tabela lhe reserva jogos, em tese, acessíveis para somar com tranquilidade os pontos necessários para afastar qualquer risco. Antes de chegar a estes confrontos, no entanto, o time tem dois jogos difíceis: recebe o Internacional, amanhã, e vai a Manaus fazer um clássico com o Botafogo, no dia 25. Precisa vencer ao menos uma das partidas para não enfrentar turbulências.

“Ainda temos vantagem em relação à confusão. Sair dela é a prioridade. Mas a Copa do Brasil se apresentou para nós - disse o técnico Vanderlei Luxemburgo. Após enfrentar Internacional e Botafogo, além de abrir o duelo com o Atlético-MG, o Flamengo terá jogos contra Chapecoense, Sport e Coritiba, dois deles no Rio. Para chegar em paz à reta final, Luxemburgo conta com a volta de Márcio Araújo recuperado de dores musculares, no Maracanã.

Publicidade
Publicidade