Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019
Craque

Jogador eleito o melhor do Peladão de 2009, não esquece derrota da final

O meia Jorge Alexandre Vasconcelos foi campeão do maior torneio de peladas do mundo, mas, apesar disso, ainda guarda uma lembrança amarga: a derrota na final do torneio de 2009, quando o time dele, o Panair FC caiu diante do Unidos da Alvorada.



1.jpg Alexandre Vasconcelos ainda não engoliu a derrota na final do Peladão 2009
30/01/2015 às 17:21

O meia Jorge Alexandre Vasconcelos, 31, tem em sua galeria alguns dos títulos mais cobiçados pelos boleiros do futebol amador do Estado. Ele venceu a categoria principal do Peladão logo em seu ano de estreia na competição, em 2007, pelo Unidos da Glória. Alexandre também já foi considerado o craque do campeonato, no ano de 2009, quando defendeu o Panair FC, da Colônia Oliveira Machado no maior campeonato de futebol amador do planeta. Mas, quem pensa que o jogador natural de Santarém-PA, já realizou todos os seus sonhos dentro do Peladão, está enganado.

Uma lembrança amarga, justamente do ano em que foi o melhor jogador do torneio, ainda não está totalmente cicatrizada. É que em 2009, o Panair FC acabou ficando com o vice-campeonato do Peladão, perdendo nos pênaltis, para o Unidos do Alvorada, em uma decisão que levou 42.608 torcedores ao estádio Vivaldo Lima, naquela que foi a última final realizada no “Colosso do Norte”, antes de ele ser “transformado” na atual Arena da Amazônia. O fato de ter ficado no “quase” naquele jogo histórico ainda incomoda o jogador.



“Realmente existe algo mal resolvida entre eu e o Peladão. Aquela decisão entre Panair e Unidos do Alvorada ficou marcada na história da competição. Foi algo diferente de tudo. Eu, particularmente, jamais havia jogado para tanta gente. Quando o ônibus estava chegando no Vivaldão, já fiquei impressionado com a quantidade de torcedores. Mas, ficamos com o vice e desde lá, estou correndo atrás para ter uma nova chance de vencer o Peladão novamente”, relembrou o jogador. E ele deixa bem claro que a perda do título em 2009 ainda é uma ferida aberta. “Eu trocaria meu título individual de melhor jogador do Peladão pela oportunidade de ter sido campeão naquele dia. Pode ter certeza disto”, revela o jogador.

Alexandre, porém, está perto de ter a tão sonhada oportunidade de disputar e vencer uma final de Peladão. Nesta temporada, a equipe que ele defende há dois anos, o Amigos da Cidade Nova, está entre os oito melhores da competição. No domingo, a equipe da zona Norte enfrenta o Urucará FC - UFC, no Campo do 1º BPM, em Petrópolis, de olho em uma vaga nas semifinais do Peladão Brahma 2014. Alexandre já anotou três gols na competição.

“Nosso time tem sim muitas condições de chegar em uma final e vencer. Estou confiante. O material humano de nossa equipe é muito bom”, analisou o jogador, que trabalha nas linhas de produção da Moto Honda da Amazônia há 12 anos.


Equipe Amigos da Cidade Nova
. Foto: Lucas Morelli

Já é tempo de sair do quase
 O Amigos da Cidade Nova se caracterizou como uma equipe que forma grandes times nos últimos anos, mas, acaba caindo em momentos decisivos. No ano passado, por exemplo, a equipe já contava com boa parte de seus atuais jogadores (entre eles Alexandre e Nixon), mas, não resistiu ao ímpeto do Amigos do Treze de Maio/Amigos do Vitor nas quartas de final. Nesta temporada, o clube ganhou alguns reforços. Para se ter ideia do poder ofensivo da equipe, o clube conta com três jogadores que concorrem ao prêmio de “melhor jogador de futebol amador do Estado” em seu elenco: O meia Charlinho, o atacante Romário, além do próprio Alexandre, que teve a história contada ao lado. O veterano centroavante Nenca, campeão em 2009 pelo Unidos do Alvorada, completa a temida linha de frente do Amigos da Cidade Nova.

E se sobra experiência dentro de campo, o Amigos da Cidade Nova também está bem servido no banco de reservas. O treinador Carlos Prata comanda a equipe da zona Norte da cidade. Prata possui três títulos do Peladão. Um como goleiro da Transmiro em 1981, e dois como treinador, do Compensão, em 2006, e do Martins Vical, em 2012. Agora, ele quer o tetra. “O Peladão vale como uma Libertadores da América para a comunidade. As pessoas se envolvem de verdade. Estamos no caminho certo neste ano. Precisamos de apenas alguns ajustes”, disse o técnico.


Nixon ganhou o título em 2007 pelo Unidos da Glória. Foto: Lucas Morelli

Nixon sabe como vencer
O centroavante Nixon Santos, 28, também colocou seu talento à disposição do Amigos da Cidade Nova. Ele, que já foi campeão da competição em 2007, pelo Unidos da Glória, andou se aventurando no futebol internacional no ano passado. Nixon passou 6 meses no FC Hik, clube que disputa a segunda divisão do campeonato da Finlândia. A experiência no frio do país escandinavo deve ser repetida por Nixon neste ano.

“Eles queriam que eu continuasse por lá, mas, não chegamos a um acordo. Mas, já pintaram outros convites e provavelmente eu possa jogar lá neste ano. É um sonho meu jogar futebol profissionalmente e eu nunca vou desistir”, comentou o jogador, autor de quatro gols do Amigos da Cidade Nova neste Peladão Brahma 2014.

Nixon garante que as temperaturas abaixo de zero não foram problema em sua passagem pela Finlândia. “Peguei clima de 10 graus negativos. Mas, em poucas semanas eu já estava adaptado e marcando meus gols”, relembrou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.