Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
Craque

Jogadora relembra início da disputa na categoria feminina

A zagueira Maria Auxiliadora da Silva, 35 anos, a Mariazinha estava no elenco do Fla Rock, do bairro Compensa, o primeiro campeão do Peladão Feminino, em 2005



1.jpg Mariazinha relembra como foi ganhar o primeiro torneio feminino
30/01/2015 às 18:58

O Peladão Brahma foi criado em 1973, mas, somente três décadas depois a disputa em campo entre as mulheres começou, em 2005. Dez anos depois, quem viveu as emoções de disputar o primeiro Peladão feminino lembra com orgulho do início da competição.

É o caso da zagueira Maria Auxiliadora da Silva, 35 anos, a Mariazinha. A jogadora estava no elenco do Fla Rock, do bairro Compensa, o primeiro campeão do Peladão Feminino.



“Em 2005, era muito difícil ter um campeonato grande voltado para o futebol feminino. Ainda mais com premiação em dinheiro. Então, é muito bom ter participado do início de uma competição que até hoje continua e que muitas equipes entram todos os anos em busca do título”, conta Mariazinha.

Origem
O Fla Rock surgiu do Flamenguinho da Compensa. Como os dirigentes do time não tiveram condições de continuar com a equipe, Rock reuniu o elenco e inscreveu no Peladão. Assim, em homenagem a sua origem e ao novo fundador, a equipe foi batizada de “Fla Rock”.

Mariazinha lembra que o time teve dificuldade para disputar o torneio por falta de dinheiro, mas o esforço de Rock foi grande. “O Rock foi atrás de patrocínio, de candidatos que nos ajudaram com uniforme e bola. E assim conseguimos entrar no campeonato”, disse.

Desconhecido e desacreditado, o Fla Rock foi passando de fase em fase até se sagrar campeão. “Eu sempre achei que nós tínhamos condições de ser campeão, que éramos favoritos também. Mas as pessoas falavam que não, que nosso time era de peladeiras, que não sabiam nem jogar calçadas”, conta Mariazinha.

Segundo a zagueira, o diferencial da equipe era o entrosamento. “De fato, a gente era peladeira mesmo, mas jogamos muito juntas, e isso nos ajudou”.

No ano seguinte ao título, em 2006, o Fla Rock chegou a iniciar uma boa campanha rumo ao bicampeonato, mas acabou sendo eliminado. Desde lá, o grupo abandonou a competição.

Como muitas outras atletas do grupo do Fla Rock, Mariazinho continuou no Peladão, mas defendendo outras equipes. Pelo time do Apolo Club, a zagueira chegou a ser vice-campeã do torneio.

Aos 35 anos, Mariazinha continua firme no futebol e ainda luta na busca pelo segundo título. “Eu parei por uns três meses, mas depois voltei a jogar. Já fui campeã de outros campeonatos pelo Manaus Moderna e esse ano o Apolo me chamou para disputar o Peladão”, conta a zagueira.

O Apolo, time defendido por Mariazinha nessa edição do Peladão, foi eliminado nas quartas de finais para o Portugal.

A história do torneio
1973 -
O Peladão foi criado, mas não tinha a disputa entre as mulheres. A participação feminino se restringia ao concurso de beleza de Rainha do Peladão.

2005 - Após a criação das categorias Peladinho e Master, o Peladão decidiu realizar a primeira edição feminina do torneio de futebol, com a participação de 44 equipes.

2014 - A edição do Peladão feminino, que encerra com a final de amanhã, é a décima e é marcada pelo confronto de times que nunca chegaram à decisão. O Portugal é estreante. E o Manaus Moderna disputa apenas pela segunda vez o torneio.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.