Publicidade
Esportes
Craque

José Aldo fala sobre a luta do próximo sábado contra Frank Edgar pelo UFC

Amazonense campeão dos penas afirma que treinou bastante a defesa de quedas. Lutador concedeu entrevista exclusiva ao Craque 27/01/2013 às 17:32
Show 1
José aldo diz que treinou bastante a defesa de quedas para o UFC 156
Paulo Ricardo Oliveira Manaus (AM)

Na noite de 2 de fevereiro, parte da cidade vai parar para assistir ao filho mais ilustre do universo das lutas entrar em ação no octógono mais badalado do planeta. Dono do cinturão dos penas (entre 59 e 66 quilos) José Aldo coloca o titulo em jogo contra Frank Edgar, ex-campeão dos leves (entre 66 e 72 quilos) no UFC 156, no Mandalay Bay Center, em Las Vegas, Nevada (EUA) na luta principal do evento.

Vai ser um teste e tanto para o lutador amazonense, que não luta desde o dia 14 de janeiro de 2012, quando venceu Chad Mendes, no UFC Rio 2. Estrela principal do Ultimate Rio 3, quando faria o combate principal contra Erick Koch, Aldo se envolveu num acidente quando pilotava uma motocicleta no bairro de Copacabana em plena fase final de treinos para a peleja. O chefão do UFC, Dana White ficou tão furioso que lhe deu um “gelo” e somente o colocou em ação novamente mais de um ano depois e na casa do adversário.

“Estou preparado para todas as possibilidades da luta”, diz o amazonense, que vive a experiência da paternidade. “É uma coisa única”, Aldo falou com exclusividade ao CRAQUE durante a semana, após o treinamento. Vários assuntos vieram à tona, inclusive política. Aldo apareceu no programa eleitoral da candidata à prefeita e senadora pelo PCdoB, Vanessa Grazziotim. Confira a entrevista.

O que você tem que fazer para manter o cinturão pena (até 66 quilos) sob seu domínio?

Lutar como sempre faço, com confiança, com agressividade, esperando o momento certo para definir a luta. Colocar em prática a estratégia que eu, minha equipe e meu mestre Dedé (André Pederneiras) definimos para o adversário. Eu treinei bastante durante três meses para essa luta. Me sinto bem, 100% preparado e com foco total para fazer o que tem que ser feito. Treinei um pouco de tudo, jiu-jitsu, muay thai, boxe, wrestling, enfim, estou preparado para qualquer situação.

Quais os pontos fortes e fracos do Frank Edgar, na sua opinião?

A gente estudou bastante o jogo dele (Edgar), por vídeo. Acho que ele tem como um grande ponto forte a movimentação. É realmente uma qualidade que ele tem na luta e que dificulta um pouco de encaixar um golpe ou colocá-lo no chão. Outro ponto forte dele é assimilar bem os golpes. Acho que ele é completo e não tem ponto fraco. Mas acho que ele luta mais para pontuar, joga com o regulamento. Não é um cara entra para definir o combate. A preocupação dele é mais tocar e não ser tocado.

Que tipo de dificuldade você acha que o Edgar terá com seu estilo de lutar?

Acho que a primeira dificuldade dele será bater o peso (Edgar é ex-campeão da categoria leve, que abrange lutadores de 66 até 72 quilos, mas vai lutar nos pesos penas, que reúne atletas de 59 até 66 quilos). Descer de peso é sempre uma dificuldade, porque é uma categoria nova, você não sabe o que pode encontrar. Também tem a questão dele nunca ter lutado com caras com as minhas características, explosivo, veloz, com pagada. Acho que teremos um belo combate.

Quanto tempo você treinou para essa luta e o que você faz diferente em relação aos outros adversários?

Treinei duro durante três meses, focado, determinado a tirar o maior proveito de tudo que a gente treinou. Não fiz nada de diferente, não. Treinei de tudo um pouco, como já falei antes. Cada adversário é um caso. Treinei bastante a parte de defesa de quedas, também, já que ele é um wrestler nato, então tenho que estar atento a todas as possibilidades. A gente monta a estratégia, treina todas as possibilidades e define um objetivo de luta.

Muitos dizem que essa é a principal luta da sua carreira...

A luta mais importante da minha carreira é sempre a que tenho que fazer. Dessa vez é o Frank Edgar, em ex-campeão, um cara duro, bem preparado, que já lutou contra grandes atletas. Então estou concentrado nisso. Mas toda a luta é importante, porque cada uma delas ajuda a construir a sua história como lutador. Depois dessa (contra o Edgar) vem outra que será a mais importante.

Aquele episódio da motocicleta já foi superado? Que tipo de lição se tira de uma situação como aquela?

Já sim. Nem penso mais nisso. Vou comprar um carro (risos). Tirando a brincadeira, foi um aprendizado, como tudo da minha vida. Não tenho mais moto. Dei uma parada de pilotar moto. (Aldo se envolveu em um acidente automobilístico que o tirou a chance de fazer a luta principal do UFC Rio 3). Fica a seguinte lição: apesar de gostar muito de andar de moto, eu devo me cuidar muito mais antes das competições.

Você vai fazer a luta principal de um card poderoso, com lutas muito aguardadas, e no Mandalay Bay Center, em Las Vegas, a cidade do MMA. Dá frio na barriga?

Não. Eu já estou acostumado. Será um grande evento e espero que tenham grandes lutas. Vou colocar o que treinei em prática e procurar uma brecha para definir a luta. Esse é o meu objetivo. Não estou focado no aspecto do show em si. Estou com foco na luta. Quando começar, vou fazer o que sei. Vai dar tudo certo e vou manter essa cinturão.

Você acompanhou o processo eleitoral em Manaus? O que achou da eleição do prefeito Artur Neto, que é faixa coral de jiu-jítsu e aficionado por lutas de MMA?

A gente tem que respeitar a escolha da população. Eu quero sempre o melhor para a minha cidade. Espero que Artur Neto faça uma boa prefeitura, voltada, dentre outras responsabilidades, para projetos esportivos. Nossas crianças carentes precisam de incentivos do governo para o esporte, que é uma grande saída para o risco de se envolverem com drogas, com a criminalidade. Desejo boa sorte ao prefeito e que ele tenha sensibilidade para dar oportunidade às crianças e os jovens mais necessitados.

Há no gatilho a inauguração do Instituto José Aldo em Manaus. Quando você vem inaugurar?

Ainda não tem uma data certa, porque para mim no momento, só existe essa luta (contra o Edgar). Depois da luta, vamos acertar uma data para lançar o Instituto. Estou com uma boa expectativa sobre esse projeto, que vai beneficiar muitas crianças e jovens. Vou procurar o Fabrício (Lima, titular da Secretaria Municipal de Esportes (Semdej) para a gente vê uma data boa.

Mande um recado para seus fãs amazonenses.

Fiquem ligados no canal do UFC porque vai ser uma grande luta. Espero muita vibração positiva. O amazonense é um povo aguerrido. Temos muitos lutadores valorosos que estão esperando uma oportunidade. Nunca desistam dos seus sonhos. Vai dar tudo certo, com fé em Deus, assim como vai dar certo para mim nessa luta. Deixo um grande beijo para todos. Esse cinturão vai continuar comigo. Tenham certeza.

Publicidade
Publicidade