Sábado, 25 de Maio de 2019
Craque

Judocas do Amazonas conseguem nova liminar que determina recebimento do bolsa atleta

Cinco atletas conseguiram liminar que garante o direito ao benefício da prefeitura. Eles lutam por esse direito desde maio de 2015



1.jpg
Judocas seguem na luta para conseguir receber o benefício da prefeitura
11/01/2016 às 18:40

Desde o dia 22 de março de 2015, os judocas Rafaela Barbosa, Rayfan Barbosa, Rafael Barbosa, Carolinne Hernandez e Adriano Rodrigues tentam conseguir receber o benefício do Bolsa Atleta Municipal e agora, esta saga pode estar perdo do final. No dia 7 de janeiro, Antônio Barbosa, advogado e pai de três dos cinco atletas conseguiu uma liminar que determina a concessão do Bolsa Atleta aos judocas. O documento foi entregue na tarde de ontem na Prefeitura de Manaus.

A lei que institui o Bolsa Atleta é a Lei 1.515, de 2011 e tem como requisitos: idade mínima de 14 anos, plena atividade esportiva, participação de competição em âmbito internacional, plano anual de participação em, no mínimo, uma competição oficial da modalidade, entre outros., requisitos que os atletas preenchiam. Mas em agosto do ano passado, a inclusão do decreto de n° 3.159, publicado no dia 18 de agosto, que alterou a lei municipal. A nova ordem define que os beneficiários, além de disputarem as competições internacionais com as seleções brasileiras das respectivas modalidades estejam entre os cinco melhores do ranking. Com essa inclusão, o benefício foi negado. Foi aí que começou uma corrida para que o direito dos judocas fossem garantidos.

Antônio Barbosa conta que procurou o Ministério Público do Estado, a Procuradoria Geral do Município e todos deram parecer favorável aos atletas, mas as determinações não foram cumpridas. No fim do ano passado, a desembargadora Nélia Caminha assinou uma liminar anulando o decreto. A liminar foi rejeitada por não contar o nome de todos os atletas. Até que no dia sete, um novo documento determinando o pagamento da bolsa, foi assinado. Caso a prefeitura não acate a decisão, deve responder a processo e multa por não cumprimento.

“Isso é tirania, isso é perseguição em cima desses atletas. Esses atletas já trouxeram tantas medalhas para o Amazonas e o Amazonas está no contexto nacional graças a esses judocas aí. Essa tá sendo uma saga, tá sendo uma verdadeira via crucis e estamos mostrando que eles não podem fazer o que bem entendem”, disse o advogado e pai dos atletas.

Barbosa também explica, que os quase oito meses de luta trouxe prejuízoa aos atletas.

“Foram duas competições internacionais perdidas em 2015 e agora um treinamento fora de Manaus está comprometido. Além de advogado, eu sou pai de três judocas que estão aqui e eu os treino desde os cinco anos de idade e o prefeito e o secretário  nunca investem no atleta na base e, com muito esforço, o atleta chega no alto nível e eles têm essa atitude cruel”, completou.

A assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal da Juventude Esporte e lazer (Semjel), informou que, até o início da noite de segunda-feira(11), ainda não havia sido notificada a respeito da liminar e que aguardava isso  para se manifestar sobre o assunto.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.