Domingo, 26 de Maio de 2019
LENDAS EM AÇÃO

Atletas da fase áurea do jiu-jitsu amazonense serão homenageados no Jungle Classic

A intenção é resgatar um pouco da história do jiu-jitsu amazonense, reunindo os grandes nomes da modalidade no dia 1º de junho, a partir das 19 horas, no Jevian Festas e Eventos



15/04/2018 às 12:56

O jiu-jitsu amazonense conheceu o seu auge nas décadas de 1980 e 1990, com a multiplicação de academias pela cidade, onde diversos talentos surgiram - lutando o mais puro jiu-jitsu. Agora, os grandes nomes da fase áurea da arte suave ‘raiz’ amazonense serão lembrados, homenageados e terão a oportunidade de relembrar os bons tempos no evento Jungle Classic Jiu-jitsu, que vai acontecer no dia 1º de junho, a partir das 19 horas, no Jevian Festas e Eventos (rua Rio Javari – Vieiralves). Entre os cascas-grossas ‘das antigas’ que lutarão no evento, estão grandes campeões, como Fredson Alves, Alessandro Guimarães, Márcio Pontes e Cleudo Caldas, que viveram grandes conquistas no jiu-jitsu, e agora sentem-se felizes por participar de um evento que traz de volta um pouco da história da arte suave no Amazonas.

Para o idealizador do Jungle Classic, Bosco Jr.,  “(o evento) vem com a intenção de resgatar os atletas das antigas, a história do jiu-jitsu amazonense, resgatar o jiu-jitsu tradicional, que é totalmente diferente do jiu-jitsu de hoje”. Assim, ele afirma que a ideia é reunir lutadores renomados, “aqueles que fizeram história para abrilhantar o evento e mostrar os seus conhecimentos”.

 

Lutadores 

Os atletas que irão lutar no Jungle Classic foram selecionados junto com a ‘Geração de ouro’ (um grupo de lutadores faixas-pretas), e os escolhidos estão bem animados. Fredson Novo (Ribeiro Jiu-jítsu) luta desde os 14 anos, viveu fora do País durante vários anos, mas retornou à sua cidade natal para criar sua família, e conta como está orgulhoso de fazer parte do Jungle Classic.

No evento, ele fará a última luta da noite contra Péricles Júnior (Anibal). “A luta será a ‘cereja do bolo’, uma coisa natural. Alicerces como família, honra, respeito, lealdade, disciplina e atitude fazem parte da nossa filosofia, e levamos isso pro tatame e pra vida. Apoiar atletas que fizeram muito pelo jiu-jítsu de Manaus é motivo de muita gratidão, por isso, topei participar desse evento e estar junto com essa galera das antigas”, disse ele.

Fredson explica a diferença entre o jiu-jitsu tradicional e o atual. “Eu represento um pouco do jiu-jitsu ‘old scool’, voltado para a finalização, para dar o seu melhor na hora da luta, então, fiquei muito feliz por participar do evento porque são nessas características que eu acredito para a hora da luta”.

Quem também vê o evento como uma bela homenagem é Alessandro Guimarães (Manifight JJ/Brother AmazonJJ). “É uma homenagem à galera que balançava os ginásios e fazia o jiu-jitsu por amor, sem lado comercial. Meu oponente, o Marcos Valle, é uma fera de uma geração depois da minha, grande campeão, então, lutar com ele vai ser especial como um grande teste de tudo que eu faço desde os meus seis anos de idade”.

 O lutador Márcio Pontes (N.U. MPBJJ) vai lutar com Eduardo Ramos (Equipe 7), e revela que não será a primeira vez que os dois se enfrentam. “Fiz uma luta com ele na sua estreia como faixa preta, e gostei da iniciativa do Bosco, de reunir este grupo seleto de lutadores que revolucionou o jiu-jitsu moderno entre os anos 1990 a 2000, para também fazer bonito também no dia do evento”, ressalta.

Cleudo Caldas (Clube Pina) conta que ser professor da modalidade é mais uma motivação para relembrar o jiu-jitsu ‘raiz’. “É uma honra ter sido convocado e, pra mim, meus alunos irem me ver competir no dia será uma alegria, é o que eles almejam, então vai ser um bom resgate do nosso trabalho de lá atrás até aqui”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.