Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
Craque

Justa homenagem: estádio da Zona Norte pode ser batizado com nome de Flaviano Limongi

Local pode receber o nome de um dos precursores do futebol profissional no Amazonas. Praça esportiva do conjunto Oswaldo Frota, que ainda não tem nome oficial, deve ser inaugurada na primeira quinzena de agosto



1.jpg Flaviano Limongi foi um dos responsáveis pela construção do antigo Vivaldão e pode receber justa homenagem ainda este ano.
28/07/2015 às 16:51

Um dos maiores nomes na história do futebol amazonense pode ganhar uma justa homenagem muito em breve. O recém-construído estádio da Zona Norte de Manaus poderá ser batizado de estádio Flaviano Limongi. A praça esportiva, que deverá ser inaugurada no próximo mês, é extraoficialmente chamada de estádio Oswaldo Frota - local de sua construção -, e ainda não tem nome oficial.

A sugestão partiu do secretário executivo da Secretaria de Estado da Juventude, Desporto e Lazer (Sejel) do Amazonas, Ricardo Marrocos, que comentou que levará a proposta ao governador do Estado, José Mello. “Por enquanto, é apenas uma sugestão. Ainda não conversei com o governador. Isso deve acontecer amanhã (quarta-feira, 29) e vou sugerir o nome. Mas quem decide é ele”, explicou Marrocos.



“Até acho o estádio um pouco acanhado para o tamanho do nome que o Flaviano Limongi representa para o esporte do Amazonas. Mas como não temos a previsão da construção de outra praça esportiva em Manaus, acho interessante fazer essa homenagem. Até porque é um estádio de futebol e o Limongi foi uma figura importantíssima nesse quesito”, comentou o representante da Sejel.


Passando por ajustes finais, o estádio da Zona Norte tem capacidade para 1,3 mil espectadores e foi orçado em R$ 2,9 milhões. Marrocos explicou que a subestação de energia da praça esportiva foi ligada nesta segunda-feira (27) e a construtora deve entregar a obra até o fim desta semana. “A entrega da obra deve acontecer até o fim do mês. Depois disso é tratar de inaugurar. Ver a programação e ajustar com a agenda do governador e fazermos a inauguração do estádio”, disse.

Ícone do futebol Baré

Como jornalista, Flaviano Limongi foi pioneiro na transmissão de rádio das partidas do antigo estádio Parque Amazonense. Além de ganhar notoriedade como cronista esportivo e colunista no jornal impresso. Antes disso, chegou a defender a seleção amazonense como goleiro em meados de 1940.

Na condição de dirigente esportivo, Limongi foi o responsável pela fundação da Federação Amazonense de Futebol (FAF), em 1966, depois do rompimento com a antiga Federação Amazonense de Desporto (Fada). Amante do futebol, o patriarca da FAF defendia que o esporte bretão no Amazonas deveria ter uma gestão à parte de outras modalidades esportivas.


Limongi também foi um dos líderes do movimento em prol da construção do estádio Vivaldo Lima – local onde hoje é a Arena da Amazônia -, inaugurado em 1970. Muito articulado, o dirigente também ajudou o Nacional a entrar na elite do futebol brasileiro. Onde o Naça, nos anos 1970 e 1980, bateu gigantes do futebol brasileiro como Atlético Mineiro e Corinthians. Além de trazer para Manaus a Minicopa de 1972, com seleções da Bolívia, Paraguai, Peru, e a hoje extinta Iugoslávia.

Homenagem ao futebol amazonense

Falecido em 2013, Limongi foi lembrado no mesmo ano tendo a rua que fica entre a Arena da Amazônia e o Sambódromo batizada com seu nome. Porém, a via só é utilizada em dia de jogos no estádio, assim mesmo é interditada e não dá acesso a lugar algum.


Em 2014, a Fundação Vila Olímpica (FVO) lançou o projeto de um museu na mesma Arena da Amazônia com o nome do fundador da FAF. No entanto, o Memorial Flaviano Limongi ainda não saiu do papel, mesmo com a família Limongi fazendo a doação de parte do enorme acervo do dirigente.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.