Sábado, 14 de Dezembro de 2019
Caixa 2?

Justiça suspende repasse da Caixa para obra da Rio 2016 por suspeita de fraude

A decisão judicial foi tomada acatando solicitação do Ministério Público Federal (MPF) e da Controladoria-Geral da União



rio2016_outubro_zonaa_deodoro_014_7965_-c-2015_andremotta_heusiaction.jpg Justiça bloqueou repasse de 128,5 milhões de reais ao consórcio Complexo Deodoro (Foto: Divulgação)
29/03/2016 às 13:32

A Justiça Federal do Rio de Janeiro bloqueou repasse de recursos da Caixa Econômica Federal a um consórcio responsável por obras do Complexo de Deodoro dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro por suspeita de fraude, disse nesta terça-feira (29) uma fonte envolvida na organização do evento.

De acordo com reportagem do jornal O Globo desta terça, a Justiça bloqueou repasse de 128,5 milhões de reais ao consórcio Complexo Deodoro, formado pelas construtoras Queiroz Galvão e OAS, por suspeita de fraude na documentação dos serviços de terraplanagem da obra.



A decisão judicial foi tomada acatando solicitação do Ministério Público Federal (MPF) e da Controladoria-Geral da União. A Justiça Federal e o MPF disseram que não vão comentar o assunto, porque o processo corre sob segredo de Justiça.

A Prefeitura do Rio de Janeiro, responsável pelas obras do Complexo de Deodoro, disse que ainda não foi notificada sobre a decisão judicial, assim como a Caixa Econômica Federal.

O Complexo de Deodoro é o segundo principal pólo de instalações esportivas dos Jogos Olímpicos. Lá serão disputadas modalidades como hipismo, pentatlo moderno, tiro, rúgbi, canoagem slalom e hóquei sobre a grama.

As obras no local, estimadas em mais de 800 milhões de reais, demoraram a sair do papel e eram consideradas umas das maiores preocupações dos organizadores dos Jogos até recentemente, quando finalmente entraram no cronograma previsto.

De nove instalações esportivas em Deodoro, sete já foram inauguradas e falta concluir apenas o Centro Olímpico de Tiro e o Centro Olímpico de Hipismo, sendo que só o centro de tiro está sendo tocado pelo consórcio afetado pelo bloqueio de recursos determinado pela Justiça.

"Risco de atraso não tem", disse a fonte envolvida diretamente na organização dos Jogos. "Está quase tudo pronto e praticamente todos os equipamentos já foram testados. Agora, cabe aos órgãos de fiscalizar tomar as suas providências."

A obra de adaptação do Complexo de Deodoro para os Jogos Olímpicos seria inicialmente realizada pelo governo federal, mas depois passou para o governo estadual e, finalmente, foi assumida pela prefeitura. A construção só começou no segundo semestre de 2014, com mais de um ano de atraso.

O local foi construído originalmente pelo governo federal para os Jogos Pan-Americanos de 2007.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.