Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
Craque

Livre de marcação: Justiça rejeita denúncias contra Neymar por sonegação e falsidade ideológica

Juiz do STF de São Paulo rejeitou denúcia do Ministério Público Federal de Santos contra o craque do Barcelona e o pai dele. Ambos são acusados de falsidade ideológica e sonegar impostos



1.jpg Neymar e o pai se livraram de denúncias do MPF de Santos.
05/02/2016 às 12:55

O juiz Mateus Castelo Branco Firmino da Silva, da Justiça Federal de São Paulo, rejeitou nesta quinta-feira (4) denúncia do Ministério Público Federal em Santos contra o jogador Neymar e o pai dele, Neymar da Silva Santos, por sonegação de impostos e falsidade ideológica.

O magistrado argumentou que ainda não há definição no campo administrativo sobre as suspostas irregularidades tributárias, por isso rejeitou a denúncia.

"É entendimento consolidado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) não ser possível o oferecimento da denúncia, nos casos de crimes contra a ordem tributária, antes da decisão definitiva no âmbito administrativo", disse o juiz em sua decisão.

Além de Neymar e do pai dele, o MPF denunciou na ação os ex-presidentes do Barcelona Alexandre Rosell Feliu e Josep Maria Bartomeu Floresta.

De acordo com a denúncia do MPF em Santos, "a conduta de Neymar, com a participação dos demais denunciados, gerou prejuízos milionários aos cofres públicos".

O pai do jogador foi apontado pelo MPF como o "principal mentor e articulador de uma série de fraudes contratuais para o uso do direito de imagem de Neymar", entre 2006 e 2013, envolvendo três empresas ligadas à família do atacante.

Em janeiro, um juiz federal de São Paulo decidiu que o atacante Neymar e o pai dele têm de pagar quase 460 mil reais à Receita Federal devido à omissão de rendimentos em declarações do Imposto de Renda nos anos de 2007 e 2008, quando o jogador defendia o Santos.

Receba Novidades


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.