Quinta-feira, 18 de Julho de 2019
JIU-JITSU

Lutador amazonense conquista o ouro no Abu Dhabi Grand Slam, em L.A.

Na final da competição, Robert Pato superou seu conterrâneo Saulo Ribeiro, uma lenda do jiu-jitsu.



WhatsApp_Image_2017-09-26_at_15.44.11.jpeg A luta contra Saulo Ribeiro foi a mais dura, segundo 'Pato', sendo decidida pelos juízes. (Foto: divulgação)
27/09/2017 às 17:39

O lutador amazonense Robert Pato venceu, no último final de semana, o Abu Dhabi Grand Slam – Jiu Jitsu World Tour 2017-18, realizado em Los Angeles, nos Estados Unidos.
Na grande final, ele  venceu ninguém menos que Saulo Ribeiro, grande nome do jiu-jitsu amazonense e nacional. “Eu fiz quatro lutas. A primeira venci por finalização, as outras duas, venci por 5 pontos a 0, e a final, fiz contra o Saulo, em que ficou 1 a 1, e os juízes deram a vitória para mim. A final foi mais dura, uma luta bem complicada, até por ser contra uma lenda do jiu-jitsu nacional, o Saulo Ribeiro, mas, graças a Deus e à estratégia que eu coloquei em prática, consegui voltar ao Brasil com a vitória”, destacou o lutador.

Robert Pato retornou às lutas no mês de julho deste ano, após um ano e meio parado por causa da descoberta de um cisto na cabeça. E sua volta não poderia ter sido melhor: foram três lutas e três vitórias. A primeira, no evento de MMA, Mr. Cage 28; depois, no evento de jiu-jitsu sem quimono, Cassino Fight; e agora no evento de jiu-jitsu, Abu Dhabi Grand Slam.

“Fiquei mais feliz pelo meu retorno ao jiu-jitsu, e num evento que eu gosto, que é o Abu Dhabi Grand Slam, onde eu já tinha sido campeão de uma seletiva, e agora fui campeão de um Grand Slam, e sem levar nenhum ponto de nenhum adversário durante todo o campeonato”, ressalta ele.

Atualmente, Pato tem contrato de quatro  lutas, com exclusividade, na ‘World Series of  Fighting’ (Wsof), de Las Vegas, que foi classificada como a 3º maior organização de MMA do mundo. A estreia de Pato no campeonato seria no ano passado, mas com o cisto descoberto logo antes da sua luta, seus planos foram interrompidos. Agora, ele espera resolver sua pendência com o Wsof para poder seguir à  frente no MMA.

“Esta foi minha primeira luta de jiu-jitsu após muito tempo. Meu plano agora é deixar nas mãos de Deus, e ver o que a comissão atlética  dos EUA decidem sobre o meu futuro no Wsof”, afirma.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.