Publicidade
Esportes
Peladão 2017

Maior Campeonato de Peladas do Mundo começa hoje no Clube do Trabalhador

Dois jogos e o desfile das rainhas farão o esquenta do Peladão neste sábado (9) no Clube do Trabalhador a partir das 14h30 08/09/2017 às 21:56 - Atualizado em 09/09/2017 às 16:12
Show zcr0209 11f
(Foto: Clóvis Miranda)
Camila Leonel Manaus (AM)

 O pontapé inicial para o 45° Campeonato de Peladas do Amazonas será dado na tarde de hoje no estádio Roberto Simonsen, no Clube do Trabalhador do Sesi, Zona Leste de Manaus. A bola começa a rolar às 15h30 entre Central do Coroado x Compensa Master, um reencontro entre os dois finalistas da última edição, vencida pelo Central. Às 17h30 acontece a reedição da final da categoria principal com T5 Jamaica jogando contra o time Vila Mamão.

Além de futebol, a beleza das candidatas à Rainha do Peladão também marcará presença na abertura. O desfile das candidatas acontece a partir das 16h30 e é fundamental já que a inscrição do time só é confirmada com a presença da musa na abertura.

Mais de 600 times se inscreveram para participar desta edição do Peladão, um aumento no número de participantes em relação à última edição. “O Peladão volta muito forte. Ele cresceu bastante esse ano em relação ao ano passado. Veio um número maior de clube inscritos, rainhas, torcida. E a gente mede muito isso por volume de inscrições em números e por comentários e o  que gera em redes sociais, que são as movimentações paralelas ao campeonato”, explicou presidente da TV A Crítica, filiada da rede Record, Dissica Tomaz Calderaro, que frisou a importância de manter a tradição do Campeonato idealizado por Humberto Calderaro, fundador da Rede Calderaro de Comunicação.

“O maior desafio é manter uma tradição, mas ao mesmo tempo se  reinventar eu tenho convicção que é uma missão longa prazeirosa, mas difícil”. completou, o presidente que considera como um dos segredos, o rigor com as regras. Motivo endossado por Arnaldo Santos.

“Nós estamos há mais de 20 anos à frente do Peladão, mas a expectativa é sempre grande e a gente não perde a fé e muito menos se deixa de cumprir o que está no regulamento. Uma das coisas que me deixam feliz são as histórias de pessoas que não tinham RG e passou a ter por casa do Peladão porque se não tiver ele não entra. Vejo o Peladão como um grito de libertade porque a pessoa pode não saber o que vai comer na segunda-feira, mas quando rola a bola, o que importa é fazer o seu melhor” 

Novidades

Uma das novidades para esta edição é a junção da categoria indígena às categorias principal e feminina. Segundo o coordenador da competição, Arnaldo Santos, as mudanças aconteceram devido à mudanças na política da Ufam, que atua como parceira na categoria índigena.

De acordo com o treinador do time da etnia tikuna, Domingos Ricardo, o time masculino e feminino têm treinado bastante com as outras etnias para que os times WFC Wotchimaücü, no feminino, (que significa Esporte Clube Avaí, em tukano) e Esporte Clube Yo’i (ou criação de Deus), no masculino. “ Nós temos treino todo sábado com outras etnias e estamos nos preparando bem”, explicou Domingos que apontou a diferença dos índios para os não-indígenas na hora de jogar.

“O índio não gosta de usar muito palavrão. Se ele perde, não tem crítica. Ele joga com animação porque para nós é uma cultura diferenciada e a gente fica muito alegre quando vê outra cultura”, explicou.

Para capitã do time feminino, Vânia Pereira, que no ano passado levou o time ao vice-campeonato no Peladão indígena, jogar futebol significa praticar o esporte que mais gosta e levar o orgulho da sua cultura. “É um esporte que a gente mais gosta vemos todo mundo jogar e a gente quer estar ali e a gente se preparou muito para chegar onde queremos chegar e nos orgulhamos muito disso”, explicou.

Outra novidade é a temática deste ano que busca valorizar os artistas de rua, uma forma de olhar para a comunidade e trazer assuntos do dia-a dia no contexto do maior campeonato de peladas do mundo.

“Esse é um assunto que ainda traz muitas dúvidas. O quefaz o artista de rua? Ele não é só o que fica na parada, mas aquele artista que faz um brinco, uma pulseira que fica nas calçadas trabalhando, que pinta, que borda. Enfim, queremos fazer uma discussão  sobre isso”, explicou Arnaldo Santos.

Rainhas

A concentração das Rainhas dos Times começa às 14h30 no Ginásio Domício Veloso, localizado no Clube do Trabalhador. O desfile acontece às 16h e terá a presença da rainha, Thaís Bergamini.

A musa do time é importante para confirmar a participação do clube inscrito. Além de ajudar o time, as rainhas protagonizam o concurso à coroa do Campeonato e que tem a fase do reality show, Peladão À Bordo. A atração começa no dia 14 de novembro e de acordo com Dissica Calderaro, as rainhas, neste ano “estarão mais vigiadas” do que nos anos anteriores.

Publicidade
Publicidade