Publicidade
Esportes
Craque

Manauenses celebram amor por Manaus praticando esporte

Adeptos de uma vida saudável comemoram o aniversário de 344 anos da Capital Amazonense nadando e correndo 24/10/2013 às 11:41
Show 1
Manauenses vão comemorar o aniversário da cidade participando de eventos esportivos
Lorenna Serrão Manaus

Adeptos de uma vida saudável, quatro manauenses (dois legítimos e dois de coração) vão celebrar o amor por Manaus, que nesta quinta-feira (24) completa 344 anos, praticando esporte. A técnica de Natação, Maria de Nazaré Pinheiro  e o técnico estadual da Fazenda, Marcelo Padilha vão participar às 9h, da 2ª edição da Maratona Aquática - Troféu Waldir Oliveira, na Ponta Negra, Zona Oeste. Já o aposentado Valdinar Cássio da Silva e o jornalista Denir Simplicio se preparam para a V edição da Corrida Internacional de Manaus, que acontecerá às 17h, na Avenida das Torres.
Apaixonados por esporte, Maria de Nazaré Pinheiro, de 59 anos, e Denir Simplicio, de 42, que nasceram e foram criados na capital amazonenses, afirmam que é muito bom fazer parte do aniversário de Manaus.

“Participo de competições aquáticas desde 2001, mas tenho certeza de que participar, mais uma vez, de uma disputa que acontece no dia do aniversário de Manaus será inesquecível, vai marcar a minha vida. Acredito que a maratona Waldir Oliveira será emocionante, uma festa do esporte para celebrar mais um ano da nossa querida Manaus”, pontuou a tia Naza – como é conhecida Marida de Nazaré, entre os seus colegas de natação.
Ao contrário de dona Nazaré, Denir Simplicio começou a praticar esporte há pouco tempo, são apenas cinco meses se dedicando as caminhadas e as corridas. Ele conta que já perdeu 15 quilos e está muito empolgado com a sua estreia na Corrida Internacional de Manaus.

“Adoro esporte, sou do tipo que não gosta muito de festa, por isso acredito que promover disputas esportivas para celebrar o aniversário de Manaus é algo totalmente sensacional”, disse Denir – que aproveitou para fazer um pedido.  “Meu lugar preferido em Manaus é o lago do tarumã, que tem a água geladinha, gosto muito da natureza daqui. Acredito que as corridas, que viraram uma febre, devem sair das ruas e seguir para o meio da floresta, ter mais disputas assim seria muito importante”, completou.

Eles escolheram Manaus

Manauenses de coração, o carioca Marcelo Padilha, de 35 anos, e o Piauiense Valdinar  Cássio da Silva, 73 anos, vieram para Manaus por conta do trabalho, mas eles garantem que não têm planos de deixar a cidade “baré”, pelo menos não tão cedo.
“Moro aqui há sete anos e me sinto um verdadeiro manauense. Gosto  muito da cidade e sair daqui não está na minha lista de prioridades. Se pudesse fazer um pedido em nome do esporte manauense, pediria para que o poder público realizasse mais maratonas aquáticas, que eventos de natação fossem mais divulgados para que esta modalidade se torne cada vez mais popular”, comentou Padilha – que também vai participar da Corrida Internacional de Manaus.

“Gosto de ter uma vida saudável, adoro praticar esporte. Realizar atividade física faz parte da minha rotina. Não me considero um atleta, mas sempre que posso participo das competições que acontecem aqui. E tenho muito fôlego para comemorar o aniversário de Manaus nadando e correndo”, disse Marcelo Padilha. O aposentado Valdinar Cássio da Silva mora em Manaus há 40 anos, ele afirma que já teve muitas chances de voltar para o Piauí, mas não quis.

“Eu vim para cá por conta do trabalho, mas com o tempo você se acostuma. Formei minha família aqui e agora só vou ao Piauí para passear mesmo. Comi jaraqui e agora não saio mais daqui”, disse o aposentado que tem um desejo.
“Manaus é uma terra muito boa, eu desejo que os nossos jovens estudem que tenham estrutura para realizar seus sonhos e que pratiquem esporte”, comentou Valdinar Silva – que participa de corrida desde 2005 e coleciona muitas medalhas.

Belezas naturais inspiram corredores
Um dos principais cartões postais de Manaus, a praia da Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, é um dos lugares preferidos dos adeptos de atividades físicas, que lotam o local para correr ou  nadar.Desde que foi inaugurada, em 2011, a ponte do Rio Negro também se transformou em um ponto de encontro dos que querem associar esporte a natureza.

Seu Valdinar Cássio da Silva costuma treinar praticamente todos os dias na ponte Rio Negro e diz que o esporte da no sangue. “É bom treinar com aquela visão da ponte, treino lá sempre que posso com meus amigos”, disse o manauense de coração.
O jornalista Denir Simplicio corre e pedala na Ponta Negra e diz que o contato com a beleza do lugar o inspira. “Sempre tem gente por lá correndo. Tem vida, tem natureza, tem espiritualidade, beleza... Você se sente livre, alias livre é como eu me sinto desde que comecei a praticar esporte e a contemplar a natureza manauara”, concluiu. 

Publicidade
Publicidade