Publicidade
Esportes
AMAZONENSE 2017

Manaus avança para final pela primeira vez e decide título contra o Nacional

Com a classificação, o Gavião garante também vaga na Série D e Copa do Brasil do ano que vem 01/06/2017 às 19:09 - Atualizado em 01/06/2017 às 19:43
Show manaus06666
(Foto: Evandro Seixas)
Valter Cardoso Manaus

Pela primeira vez na sua história, o Manaus vai disputar o título de campeão amazonense. O time conquistou a passagem após empatar por 1 a 1 na tarde desta quinta-feira (01), na Arena da Amazônia, em Manaus.

O time comandado por Aderbal Lana tinha a vantagem de ter feito 2 a 0 na primeira partida da semifinal, na semana passada, marcado pelo clima quente com direito a confusão em campo. Por conta do tumulto, inclusive, a partida desta quinta-feira aconteceu sem torcedores.

Com a classificação, o Gavião garante também vaga na Série D e Copa do Brasil do ano que vem. O adversário na decisão do Barezão é justamente o time que mais detém as taças, o Nacional, em datas a serem definidas.

O jogo
A partida contou com dois times dispostos a vencer. O Fast queria reverter o placar construído pelo adversário no primeiro confronto, já o Manaus buscava garantir uma margem favorável para não sofrer sustos.

A postura ofensiva do Gavião lhe rendeu frutos ainda no começo da partida. O time abriu o placar na sua jogada preferida: a bola área. Após cobrança de escanteio, a bola sobrou na pequena área e Hamilton, aproveitou com um belo voleio para abrir o placar aos 13 minutos.

O camisa 25, inclusive era o principal jogador do Manaus. O meia prendia a bola no campo de ataque e ajudava o time de Lana a manter a posse de bola. Mas o Fast também tinha liberdade para armar as jogadas.

Aos 36, o Rolo Compressor descontou em jogada de velocidade. Felipe encontrou Leo Guerreiro no meio da zaga do Manaus, livre, o atacante avançou e finalizou com calma no canto para empatar o placar.

No segundo tempo o jogo ficou mais aberto. Donmarques mudou o time para uma postura mais ofensiva que faça mais posse ao Tricolor, mas também cedia aos Manaus. Nas bolas paradas o Gavião criou várias chances, mas não conseguiu aproveitar.

Apesar do maior volume de jogo, o Fast não conseguia criar chances claras e via o cronometro como seu maior inimigo.

Publicidade
Publicidade