Domingo, 19 de Maio de 2019
BOLA OVAL

Manaus Bowl entra para a história do esporte amazonense

Futebol americano cresce, aparece e mostra força em primeira final na Arena da Amazônia



CR072501_p01.jpg
A final terminou com a conquista inédita do North Lions (Foto: Antônio Lima)
24/12/2016 às 05:00

Um dia eram cerca de 30 meninos jovens, cheios de sonhos. Descalços, com camisas maiores que seus físico e com números pintados de forma improvisada.  Talvez nunca passaria pela cabeça deles que um dia o campo de areia fosse substituído por um gramado de uma Arena por onde pisaram craques do futebol mundial. Pouco provável que eles tenham pensado em jogar para mais de 8.515 pessoas, um dos maiores públicos do futebol americano no Brasil em 2016. Quem apostaria que uma brincadeira fosse virar um campeonato que chegou à 11° edição?

A entrada triunfal dos times, que entoavam seus gritos de guerra diante de uma Arena que gritava o nome deles anunciava o que estava por vir: uma final cheia de emoção, mas antes, como não se emocionar vendo as duas equipes perfiladas para a execução do Hino Nacional Brasileiro?

Com o chute inicial, a realidade de se concentrar em um jogo que valia a taça do XI Manaus Bowl. A atmosfera de novidade e sonho foram substituídos pela rivalidade entre os times que tentavam chegar à endzone. Alguns se doaram tanto no jogo que saíram machucados como o running back dos Broncos, Igor Nascimento, que quebrou a clavícula. Ele esperava um desfecho diferente para a partida, mas mesmo com uma tipóia, ficou a partida inteira assistindo e apoiando na beira do campo, já que não podia ajudar dentro de campo.

Os Lions se davam melhor na campanha em busca do touchdown, mas um vacilo fez com que a bola mudasse para o lado dos Broncos e eles aproveitaram a chance de fazer o primeiro touchdown com Vaz. No segundo quarto, os Lions empatam com Xibew e viram o jogo com o extra point convertido: 7 a 6.

Mesmo sendo um esporte desconhecido para boa parte das pessoas que foram assistir por curiosidade, alguns torciam e agitavam. Em especial dois senhores que gritavam “Vai Broncos”. Um, Taylor Costa, e o outro Taylor Brandão, são pai e tio, respectivamente, de Talyson Katolé, dos Broncos. “Quando falaram que o jogo seria aqui, eu tive que vir prestigiar. Eu nunca pensei que ele ia evoluir tanto assim e o meu sonho é ver o meu filho chegar na seleção brasileira um dia”, disse o pai coruja.

Mal sabia ele que o filho acrescentaria emoção ao jogo. Entrando como Quarterback, ele conduziu o time à virada com um safety e um touchdown. Explosão na Arena da Amazônia. Mas, o futebol americano precisa de concentração até o fim e esse ítem faltou aos Broncos no último quarto. O time começou a cometer faltas e recuar em campo. Os Lions se aproveitaram do momento e viraram. Emoção que explodiu após o touchdown do título.

Ao fim do jogo, os jogadores e a torcida explodiam de emoção. Choro e vibração. Os novatos que assistiam o esporte olhavam perplexos para o campo ainda sem acreditar no jogo que haviam acabado de assistir.

“Eu fiz um pedido pra que acontecesse o que acontecesse a gente saísse junto daqui. Bem melhor sair com a vitória, mas o time deu um passo maturidade para ser um bom time de futebol americano”, disse o QB do Lions, Binho Menezes, que chorava com o sonho realizado, ou mais um deles. Um sonho que começou no campo do CSU e ganhou a Arena.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.