Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020
DISCUSSÃO

Manaus FC diz que frase polêmica de diretor foi tirada do contexto

Clube diz que a frase dita por diretor do clube de que eles 'não eram da Amazônia' foi resposta à frase irônica do delegado da partida



WhatsApp_Image_2020-10-13_at_16.21.39_8CF7500F-0CCA-4B38-88A2-CFF64F4D2590.jpeg
13/10/2020 às 17:17

Se já não bastasse a derrota para o Vila Nova-GO por 2 a 1, que colocou o Manaus a um ponto da zona de rebaixamento, o clube ainda precisou se mexer para tentar apagar um ‘incêndio’ que acontecia no extra-campo.

Na tarde desta terça-feira, a assessoria do Gavião emitiu uma nota oficial à respeito do vídeo que circulou nas redes sociais em que aparece o gerente de futebol do clube, Ângelo Márcio, o vice-presidente Giovanni Silva e um membro não identificado do staff discutindo com o delegado da partida, José Luis Pitta Pires, no intervalo do confronto contra o Vila Nova-GO.



Em certo momento da discussão, o delegado ordena aos policiais que estavam ao seu lado a retirada dos dirigentes do Manaus argumentando que os mesmos não tinham ordens para estarem em campo. Neste momento, Ângelo diz: “O senhor é responsável pelo jogo e está sendo omisso”. O delegado, que estava indo embora, retorna e responde ao gerente: “O senhor entrou dentro de campo, sem ordem de ninguém e ofendendo o árbitro, está fora”. Revoltado, Ângelo disparou a frase que acabou causando polêmica nas redes sociais: “Ele não tá tendo tratamento igual para os dois, nós não somos da Amazônia não, nós somos de São Paulo e Minas, ninguém é bobo aqui”.

O árbitro Paulo Henrique de Melo Salmazio escreveu na sumula que após o termino do primeiro tempo, Ângelo invadiu o campo por um portão lateral próximo ao túnel de acesso ao vestiário dos árbitros e quando a equipe estava se aproximando, o cartola proferiu as seguintes palavras: “Paulo aquele pênalti que você marcou nunca foi pênalti, vocês vieram mal intencionado, seus vag………, filho da …., cambada de ladrão”.

Versão do Manaus

O Manaus argumenta que o momento do vídeo retrata apenas uma parte da discussão e que a fala de Ângelo foi tirada de contexto. O clube também sustenta  que o delegado José Luis proferiu a seguinte frase antes da fala que gerou toda a polêmica envolvendo o dirigente esmeraldino: “Vocês são da Amazônia e querem reclamar do quê? Quem é Manaus para reclamar de alguma coisa?”.

Leia na íntegra a nota do Manaus FC sobre o caso:

A respeito do vídeo que está circulando na internet com declarações do gerente de futebol do clube, Ângelo Márcio, o MANAUSFC esclarece que o vídeo captado é apenas um trecho – tirado de contexto – e que não traz o teor total de discussão que aconteceu após a partida contra o Vila Nova (GO).

O MANAUSFC informa ainda que teve vários problemas durante o jogo, principalmente por conta do comportamento do delegado da partida, com quem Ângelo teve uma discussão exibida parcialmente no vídeo.

Na partida contra o Vila Nova (GO), o Manaus foi surpreendido inclusive pela presença de torcedores dentro do estádio, o que está proibido por conta do protocolo da CBF, em prevenção à Covid-19. Até mesmo sinalizadores foram utilizados pelos torcedores, nas arquibancadas, antes do jogo começar.

Após a partida, Ângelo, bem como os outros membros do staff do MANAUSFC, reclamaram de todas essas questões e ouviram do delegado da partida a seguinte frase irônica: “Vocês são da Amazônia e querem reclamar do quê? Quem é Manaus para reclamar de alguma coisa?”
Foi quando Ângelo respondeu: “Nós não somos da Amazônia, não. Somos de São Paulo e Minas, ninguém é bobo aqui”.

Para Ângelo, o comportamento desrespeitoso do delegado da partida é algo que acontece reiteradamente quando o clube joga em outras praças, principalmente as mais expressivas. “Existe essa ideia de que, pelo fato do Amazonas ter ficado 12 anos longe de uma Série C, que não sabemos o que fazer e nem quais são os nossos direitos. Eles acham que todos nós que fazemos parte do MANAUSFC são do Amazonas e adjetivam de maneira pejorativa. A resposta foi no sentido de que no MANAUSFC tem pessoas, inclusive jogadores, de todas as regiões brasileiras. Foi neste sentido que disse que não tinha bobo ali. Que aqui existem profissionais que há anos trabalham no futebol pelo Brasil afora e que sabíamos que eles estavam fazendo coisas erradas”, disse Ângelo.

O MANAUSFC reitera ainda que, por ser um clube jovem no cenário nacional, vem sendo prejudicado por algumas decisões da arbitragem, que na dúvida, sempre acabam beneficiando as chamadas “camisas mais pesadas” do futebol brasileiro.

Foi assim no jogo contra o Treze (PB), quando árbitro não deu sequência ao jogo. Foi assim contra o Clube do Remo, em que o MANAUSFC teve pênalti escandaloso a seu favor não marcado pela arbitragem. Agora, diante do Vila Nova (GO), a arbitragem marcou um pênalti duvidoso contra o MANAUSFC já nos acréscimos do primeiro tempo.

Além disso, o staff do esmeraldino presenciou nesta partida contra o Vila, situações esdruxulas como invasões de campo e até mesmo um fotógrafo com a camisa do clube, que ficava o tempo todo xingando a equipe de arbitragem sendo que nada foi feito por parte do delegado da partida.
Apesar de tudo, o MANAUSFC seguirá firme na sua caminhada na Série C, sempre exigindo respeito por nossa história, que apesar de nova, já é vencedora.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.