Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Craque

Mesmo após ameaça de bomba, congresso da Fifa deve reeleger Joseph Blatter

Autoridades suíças investigam possível ameaça de terrorismo na eleição da entidade. Atual presidente Blatter tem a maioria do votos


O dirigente máximo do futebol mundial, Joseph Blatter, deve ser reeleito nesta sexta-feira (29), desafiando os crescentes apelos para que renuncie ao cargo em face dos escândalos de corrupção que assolam a federação internacional.

Dirigindo-se aos delegados da Fifa no Congresso anual da entidade na Suíça, onde será eleito o presidente mais tarde, Blatter prometeu mais transparência e instou os membros a permanecerem unidos.

O suíço também disse que a Fifa provavelmente não estaria enfrentando seus problemas atuais se a Rússia e o Catar não tivessem sido escolhidos para sediar as Copas do Mundo de 2018 e 2022, respectivamente.

"Hoje, eu estou apelando para a unidade e espírito de equipe para que possamos avançar juntos", disse ele, em um pronunciamento contido que contrastou com sua reação desafiante na quinta-feira.

Blatter também procurou se distanciar do escândalo, a maior crise enfrentada pela Fifa em seus 111 anos.

Autoridades norte-americanas acusaram de corrupção dirigentes da Fifa e executivos do esporte, enquanto a Suíça investiga separadamente a concessão das próximas Copas do Mundo para a Rússia e o Catar.

publicidade

"Nós não podemos supervisionar todos o tempo todo. Temos 1,6 bilhão de pessoas direta ou indiretamente relacionadas ao nosso jogo", disse Blatter.

O dirigente lembrou que a Rússia e o Catar foram escolhidos juntos em 2010 e "se outros dois países tivessem emergido do envelope eu não acho que teríamos estes problemas hoje".

Seu discurso de abertura foi brevemente interrompido por uma manifestante que agitou uma bandeira palestina e gritou com Blatter, até ser removida do local. Os palestinos estão pedindo que Israel seja suspenso da Fifa durante o Congresso.

Blatter tem sido fortemente criticado por não fazer o suficiente para combater a corrupção na Fifa. Ele tem como oponente na disputa pelo cargo mais poderoso do futebol o príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein.

É improvável que a indignação na poderosa federação europeia de futebol, a Uefa, pelos danos causados à Fifa pelas acusações de suborno e corrupção seja suficiente para derrubar o suíço de 79 anos, que tem o apoio das confederações asiáticas e africanas, como também de muitos países latino-americanos.

A maioria das nações em desenvolvimento na África, Ásia e partes da América Central e do Caribe reluta em votar pela mudança no comando da Fifa, já que a entidade lhes garante subvenções anuais e pagamentos de bônus nos anos da Copa do Mundo.

publicidade
publicidade
Federação de Jiu-Jitsu realiza 8ª edição do Warrios No Gi neste sábado (27)
Alunos de escola municipal no bairro São Francisco ainda não iniciaram ano letivo
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.