Publicidade
Esportes
Craque

Motivados! Clube Amazonense de polo aquático se prepara para representar o estado na Liga Nacional da modalidade

A competição acontece nesta semana e a equipe vem treinando forte para a Liga. E por falar em força, a equipe se reforçou e espera fazer bonito nas piscinas de São Paulo 09/11/2015 às 11:21
Show 1
Treinando há quatro meses, o time embarca nessa semana rumo a São Paulo para competir na Liga Nacional
Camila Leonel Manaus (AM)

“Mais do que um time, uma família”. Esse é o lema adotado pelo Clube Amazonense de Polo Aquático que irá representar o Estado na Liga Nacional do Polo Masculino que acontece  entre os dias 12 e 15 de novembro, em Jundiaí, São Paulo. A equipe conquistou a vaga para a Liga no mês de junho ao ser vice-campeã na Copa Norte/Nordeste da modalidade. De lá para cá, o time vem se preparando e, com reforços, chega à competição com força total para bater as equipes que já são potência no cenário nacional.

Para a competição, a equipe amazonense contará com quatro reforços: um americano, um neozelandês e dois paulistas. Os reforços chegaram no domingo passado em Manaus e estão se integrando ao time. O americano Jacob Young já competiu pela seleção em 2013, quando a equipe conseguiu seu melhor resultado na Liga: um 3° lugar. Já Craig Hustler, jogará pela primeira vez com a seleção, mas diz que já está entrosado com o time.

“Eu estou gostando, as pessoas são bem hospitaleiras e acho que posso ajudar o time passando as experiências que eu tive jogando na Nova Zelândia, como o que fazer quando o time estiver perdendo, o que fazer nessa hora”, disse.


Craig não fala português e para se comunicar com os companheiros, ele conta com a ajuda do americano Jacob, que já consegue falar e entender algumas palavras em português. O resto da comunicação fica por conta da mímica. Já Jacob, que é da Califórnia, Estados Unidos, está em Manaus pela segunda vez e tenta passar sua experiência de quem já jogou na Austrália, Espanha e Nova Zelândia para os outros jogadores.

“Jogando em outros lugares, eu aprendi mais sobre tática, sobre mim mesmo. E estar em diferentes cidades me ensinou a ser mais intenso na água e é isso o que eu tento passar para os meus companheiros”, disse.

Já o goleiro Matheus Sorrilha e o centro João Paulo Cruz, vieram de São Paulo para suprir uma carência na posição em que jogam e, além disso, podem servir como informantes durante a competição.

“Falei para o treinador qual time que tem o jogador que chuta mais forte, que tem o centro mais forte e eles sabem dos gringos. O mundo do polo aquático não é muito grande, então todo mundo se conhece, mesmo morando longe”, disse João Paulo.


Motivação em alta

Com quatro meses de preparação, a equipe comandada pelo técnico Mike Moraes precisou se virar para conseguir treinar. Na primeira fase de treinos que consistia em ginástica e musculação, o time treinou na Vila Olímpica. Os primeiros treinamentos na água foram no Centro de Convivência Magdalena Daou, Zona Oeste, e por fim, conseguiram apoio logístico do Sesi, onde atualmente treinam. Mas apesar das dificuldades, o time permanece unido e focado.

“O polo aquático requer dedicação, empenho. Tem que abrir mão de horas com a família para estar aqui. Por isso que nós temos um lema: mais que um time, uma família. Porque não me preocupo com eles só com essa parte aqui. Eu me preocupo com a vida deles, com a formação de caráter deles. Mesmo que eles não vençam a competição, se eles forem vencedores no caráter já é uma coisa muito boa”, explicou o comandante da equipe há mais de 10 anos e que, segundo diz, faz vezes de treinador, psicólogo e nutricionista.


 O capitão do time, Igor Figueiredo, também está confiante na equipe. “A questão  é de sempre querer ganhar mais. É um sonho da gente de querer sempre um objetivo maior e com o time que a gente tem esse ano aí que a motivação fica maior”, explicou.

Esta é a quinta participação da equipe na Liga Nacional de Polo  Aquático. Com uma base que vem desde 2008, o time vem se tornando um dos times fortes do polo aquático mesmo estando longe do eixo Rio-São Paulo, que reúne as potências. O melhor resultado do Amazonas foi o 3° lugar em 2013.


Publicidade
Publicidade