Publicidade
Esportes
BRASIL X COLÔMBIA

Decisão dos preços dos ingressos de jogo da Seleção Brasileira será do judiciário

Liminar para suspensão dos ingressos será enviada nesta terça-feira (19). Caso MPE vença a ação, a CBF será multada em R$ 100 mil. 19/07/2016 às 14:42 - Atualizado em 19/07/2016 às 14:59
Show 740363
O jogo está marcado para o dia 6 de setembro, na Arena da Amazônia (Foto: Arquivo AC)
Thaissa Cordeiro Manaus (AM)

Agora a decisão está nas mãos do judiciário. O Promotor da 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor, Otávio Gomes, concedeu entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (19), na sede do Ministério Público do Amazonas, para dar detalhes sobre a ação civil pública com pedido de liminar para a suspensão da venda de ingressos para a partida entre Brasil e Colômbia, válida pelas Eliminatórias. O jogo está marcado para o dia 6 de setembro, na Arena da Amazônia.

Segundo Otávio Gomes, a intenção do Ministério Público do Amazonas é suspender a venda de ingressos, mas também, devolver a diferença para aquelas pessoas que já compraram, assim como, vender ingressos com assentos numerados "A CBF alega a logística para trazer as delegações, custo de arbitragem, e que a Arena é utilizada esporadicamente para os jogos, esse custo seria de 50 a 70% a eles", disse.


                        Promotor de Justiça, Otávio Gomes, quer redução nos ingressos da partida (Foto: Assessoria MPE)

Ainda Gomes "estamos solicitando ao juiz o cumprimento da CBF. Queremos assegurar o direito do consumidor. A numeração das cadeiras está assegurada na Lei, só queremos cumprir o que está nela, queremos respeito ao torcedor", disse o promotor.

De acordo com o promotor, os assentos não vem sendo numerados nas partidas realizadas na Arena da Amazônia, e que a intenção, é que haja mudança também para o estádio Ismael Benigno (Colina) e Carlos Zamith, assim como todas as praças esportivas do Amazonas. "O custo não é alto, mas não temos previsão disso para o jogo Brasil e Colômbia ainda, estamos sem resposta", declarou.

Sobre o resultado da liminar, o promotor afirma que não há um prazo específico, mas como o Ministério Público demonstrou um perigo na demora, o prazo em tese será imediato. "Aguardamos que o judiciário tenha sensibilidade de nos dar essa liminar. Estamos pedindo também, uma previsão de multa, em caso de concessão, pelo não cumprimento por parte da empresa (CBF), em torno de R$ 100 mil", finalizou. 

Publicidade
Publicidade