Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
Jogo difícil

‘Muita dificuldade’, definiu Luizinho sobre a experiência de encarar o ‘retrancado’ Fast

Os gols que deram a vitória ao Manaus nas semifinais saíram apenas nos acréscimos, com a equipe jogando com um jogador a mais durante todo o segundo tempo



39c65e7e-2d4d-4c57-a19a-ef498d534c5a_D43BA358-D1F0-441E-BC8E-43D61B0A42C1.jpg Foto: João Normando / FAF
28/02/2021 às 09:00

Após a vitória que deu ao Manaus a chance de jogar a final da Seletiva Barezão 2020 e ainda garantiu uma vaga na Copa do Brasil e Copa Verde, o técnico Luizinho Vieira falou à imprensa sobre o desempenho de sua equipe na partida. Destacando a ideia defensiva do Rolo Compressor, que escancarou um estilo extremamente conservador, mesmo antes da expulsão de Emerson Bacas ainda no primeiro tempo, o técnico do Gavião admitiu a dificuldade para criar situações claras de gols durante o confronto.

“O adversário teve uma postura defensiva ao longo de todo jogo. A leitura do jogo foi essa, de um time que atacou do primeiro ao último minuto e um adversário que se defendeu do primeiro ao último minuto da partida, com posturas totalmente diferentes. O time encontrou dificuldades para fazer a penetração e chegar dentro do gol, até pela postura do adversário, o Rafael praticamente não fez nenhuma defesa ao longo de todo o jogo e a gente propondo, que é uma das situações mais difíceis do futebol”, explicou Luizinho.



Ainda na resposta, Luizinho aproveitou para elogia a postura de seus jogadores que, segundo o treinador, foi persistente e apresentou maturidade para encontrar os espaços e criar o resultado. E com o microfone na mão, o técnico também mandou um recado para a torcida.

“Quando você coloca seu time atrás e espera uma jogada ou uma bola parada, precisamos estar atentos a está leitura do jogo, mas dentro das possibilidades, o jeito que a gente jogou fez com que tivéssemos as melhores chances, mesmo com muita dificuldade em relação a postura do adversário, mas eu tenho que enaltecer todo o trabalho dos atletas, de persistência, maturidade e colocar para o torcedor que a gente tem uma postura ofensiva, agressiva e estamos criando a possibilidade do título na segunda-feira com quatro vitórias e sem a equipe tomar nenhum gol”, definiu.

Luizinho ainda ressaltou a possibilidade do Manaus ser tetracampeão amazonense - feito que não acontece desde o Rio Negro dos anos 80.  Com a ausência de treinamento por conta da quantidade de jogos, o comandante do clube esmeraldino também falou sobre o método que vem utilizando para corrigir eventuais problemas durante a maratona de jogos.

“Faz 30 anos que não acontece um tetracampeão dentro do estado, então a gente tem bons indícios de fazer um bom jogo na final e procurar insistir em algumas ideias. É um trabalho permanente e com uma constância de poder fazer correções encima da leitura do jogo, mesmo com apenas um dia de descanso. A gente faz através de vídeo para poder ter um desempenho melhor ainda na segunda-feira e obviamente finalizar (a competição) com o título, que é o objetivo do clube”, concluiu.

Com a possibilidade de se juntar a um seleto grupo composto por: Nacional, Rio Negro e América, - que conseguiram conquistar quatro títulos seguidos na história do Estadual -, o Manaus encara o Penarol na próxima segunda-feira (1), às 15h30, na Arena da Amazônia, pela decisão da Seletiva Barezão 2020.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.