Publicidade
Esportes
Balanço desempenho Nacional

Nacional celebra desempenho sobre o Coritiba

Jogadores celebram a ótima atuação, mas sem esquecer a receita do sucesso: trabalho 17/05/2013 às 11:47
Show 1
Danilo Rios é o maestro da equipe nacionalina
Paulo Ricardo Oliveira Manaus

O sorrido de orelha a orelha do meia-armador Danilo Rios, o ar de missão cumprida no semblante do zagueiro Ediglê e os elogios rasgados ao técnico Aderbal Lana, um dos mais solicitados pela imprensa nacional, nessa quinta-feira(16), eram provas de que a goleada por 4 a 1 sobre o Coritiba pela Copa do Brasil deixou o Nacional nas nuvens.

O Leão da Vila ficou muito próximo à classificação à terceira fase da competição nacional e assume a condição de favorito ao título Estadual.


Mas o discurso entre todos na equipe é um só: há muito trabalho a fazer e não há nada ganho. O tempo da boa fase do Naça é diretamente proporcional ao dos resultados positivos. Uma desclassificação da Copa do Brasil e a perda do campeonato amazonense seriam tiros certeiros nas pretensões nacionalinas. Por isso, todo cuidado é pouco, inclusive com as palavras. “O resultado (4 a 1 no Coritiba) dá uma tranquilidade muito boa para a nossa equipe no jogo de volta. Demos um grande passo rumo á próxima fase. Mas o Coritiba é uma grande equipe e tem condições de reverter o placar. Em hipótese alguma podemos menosprezar o Coritiba. Temos que manter o foco”, afirmou Danilo, de 24 anos, nascido Jacobina, a 300 quilômetros de Salvador (BA) e com passagens pela Série A, a exemplo do Bahia (2006), Grêmio (2007), Atlético (2008).

Danilo, aliás, vive uma fase de lua de mel com a torcida nacionalina e diz ter se adaptado à capital amazonense. Além de um bom salário mensal para a realidade local (ele não quis revelar quanto), o Nacional lhe banca um apartamento no Parque das Laranjeiras, zona Centro-Oeste, onde mora com esposa Morgana, que é psicóloga. Além de tudo, o meia parece ter assimilado o jeito Lana de jogar, sendo um das principais peças do time. “Quando o professor Lana chegou não conhecíamos seu método de trabalhar, mas agora todos conhecem e isso facilita tudo. Ele (Lana) lembra a forma de trabalhar do Lula Pereira, com quem eu trabalhei no Bahia”.   Habilidoso e veloz com a bola dominada, o jogador baiano tem demonstrado qualidade no passe e nos lançamentos, além de oportunismo nas jogadas de ataque. Ele marcou dois gols contra o Coritiba e tem feito boas partidas no segundo turno do Amazonense.. “Isso é fruto de trabalho. Mas o mérito é de toda a equipe, que está fechada em torno de um mesmo objetivo, que é classificar à Copa do Brasil e conquistar o título Estadual. Eu sou parte disso”.  

Danilo diz estar feliz no Nacional, clube que, segundo ele, oferece estrutura de primeira Divisão, mas alimenta o sonho de voltar a disputar a Série A. “É sempre o objetivo do jogador (a Série A). Mas hoje meu objetivo é o Nacional. Minha ideia é fazer um bom trabalho por aqui”.

Fórmula que dá certo

O zagueiro Ediglê estreou com o pé direito pelo Nacional pela Copa do Brasil. Experiente, o jogador deu a segurança e a qualidade que o setor defensivo precisava diante de uma equipe como o Coritiba. “Fica fácil trabalhar num time sob comando do Lana, porque ele tem estrela. Onde ele está as coisas acontecem. Mas não acontecem à toa. Ele gosta de trabalhar certo, com bom elenco, com condições de chegar longe nas competições”.

Ediglê, que defendeu o Internacional entre 2005 e 2007, afirmou que a dificuldade de enfrentar um time como o Coritiba é que os jogadores trocam muito de posição, fazendo uma espécie de rodízio tático para confundir o adversário. “Eles improvisam muito de uma posição para outra e trabalham veloz”.

Publicidade
Publicidade